Flordelis pede ajuda a deputadas: ‘Estão me tirando o direito de lutar, porque vou para a prisão’

Flordelis pede ajuda a deputadas: ‘Estão me tirando o direito de lutar, porque vou para a prisão’

Marianna Holanda

28 de agosto de 2020 | 08h50

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) durante coletiva à imprensa sobre o assassinato do seu marido, Anderson do Carmo Foto: WILTON JUNIOR / ESTADÃO

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ), acusada pelo Ministério Público do Rio de ter mandado assassinar o marido, pastor Anderson Silveira, foi ao grupo de WhatsApp da bancada feminina da Câmara negar que tenha participado do crime e para pedir ajuda para não ser cassada.

“Não fui julgada, nem condenada. Fui indiciada, denunciada pela Promotoria. Tenho direito de lutar para provar minha inocência, mas se cassarem meu mandato, estão me tirando o direito de lutar, porque vou para prisão”, disse a deputada, em mensagem obtida pela Coluna.

O texto foi enviado à 1h42 desta sexta-feira, 28. Até as 9h, ninguém havia ainda se manifestado.

“Estou sendo denunciada por coisas que não fiz. Não matei meu marido e não mandei matar”, disse a parlamentar acusada. “Querem cassar o meu mandato. Venho aqui pedir a vocês, pelo amor de Deus, não deixem que façam isso comigo. Eu juro que vou conseguir provar minha inocência e que vocês não se arrependerão de me ajudar”, afirma.

Flordelis só não foi presa nesta semana porque tem imunidade parlamentar. A Casa ainda aguarda a chegada do inquérito para dar seguimento à autorização da prisão e eventual cassação do mandato.

Às deputadas, a pastora apresenta ainda uma nova versão do crime. Disse que a filha, sem especificar qual, confessou ter pego seu celular e enviado mensagens se fazendo passar por ela.

Não fica claro quais mensagens, mas ela afirma que encaminhará o depoimento da filha à polícia no domingo.

Segundo o jornal Extra, um dos filhos adotivos da pastora, Lucas Cézar dos Santos de Souza, disse em depoimento à Polícia Civil do Rio que, três meses antes do crime, recebeu mensagens enviadas do celular da mãe pedindo que matasse o pai.

Aos agentes, Lucas disse que ligou em seguida para Flordelis e soube que ela não estava em casa, porque uma outra pessoa teria atendido ao telefonema. No mesmo dia, foi para a casa dos pais e, ao confrontar a mãe com mensagens, conta que Flordelis teria ficado nervosa.

A mensagem de Flordelis à bancada feminina conta ainda que Anderson “estava fazendo coisas que serão reveladas e provadas nos próximos dias” e que ela não sabia do que acontecia. Esse trecho foi acompanhado de emojis de choro.

A deputada refuta ainda acusações de que teria mandato assassinar o marido por poder e dinheiro – na acusação, o MP diz que ela estava insatisfeita com a condução de Anderson das finanças da família.

“Estou vivendo com quase a metade do meu salário, porque tive que pegar empréstimo. Minha casa é financiada, está no nome de terceiros”, disse, alegando que até hoje para financiamento. “Meu marido morreu e sua conta estava no vermelho”. Flordelis promete encaminhar ao grupo de WhatsApp seus extratos.

 

Veja a íntegra da mensagem de Flordelis:

“Boa noite a todas
Estou aqui para pedir ajuda
Estou sendo denunciada por coisas que não fiz
Não matei meu marido e não mandei matar
Fui indiciada por mensagens que não escrevi
Minha filha confessou em juízo que pegou meu celular e escreveu e enviou as mensagens se fazendo passar por mim para conseguir o que ela queria
Vou enviar no domingo o depoimento dela
Minha outra filha também me pediu perdão porque fez a mesma coisa
Eu não sabia que meu marido estava fazendo coisas que serão reveladas e provadas nos próximos dias não sabia mesmo 😭😭😭😭😭😭😭
Querem caçar meu mandato venho aqui pedir a vocês pelo amor de Deus não deixem que façam isso comigo eu juro que vou conseguir provar a minha inocência e que vocês não se arrependerão de me ajudarem
Estão dizendo que mandei matar por poder e dinheiro
Que poder?
Que dinheiro?
Vou enviar meu extrato bancário pra vocês
Estou vivendo com quase a metade do meu salário porque tive que pegar empréstimo minha casa é financiada está no nome de terceiros porque a onze anos atrás não tínhamos como financiar uma casa
Ainda pago esse financiamento
Meu marido morreu e sua conta estava no vermelho
Também fui vencedora e tem políticos se aproveitando da situação para tentarem me destruir
Ganhei a reforma da minha casa porque estava cheia de vazamentos e hoje dependo de cestas básicas para comer com meus filhos porque pago financiamento da minha casa luz água gás remédios
Eu não fui julgada nem condenada fui indiciada denunciada pela promotoria tenho direito de lutar para provar minha inocência mas se caçarem meu mandato estão me tirando o direito de lutar porque vou para prisão
Não gosto de criticar veículos de imprensa, mas o veículo em questão tem narrativa e sensacionalismo e mentiras
Me deixem solta para lutar e isso só será possível com a não caçassão do meu mandato
Eu vou conseguir fazer justiça a verdadeira justiça pela morte do meu marido porque nada justifica terem matado ele
Me ajudem”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: