Flávio Bolsonaro vê fogo amigo no caso Coaf

Flávio Bolsonaro vê fogo amigo no caso Coaf

Coluna do Estadão

24 de janeiro de 2019 | 05h00

Foto: ALEX SILVA/ESTADÃO

O senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) está convencido de que pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro estariam empenhadas em colocar mais lenha na fogueira do caso Coaf. A aliados, Flávio se disse incomodado com as críticas de seu suplente Paulo Marinho (PSL-RJ) e do ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno. Este último, que é advogado, teria considerado “erro jurídico” a estratégia da defesa de Flávio de recorrer ao Supremo para suspender as investigações em andamento contra seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Que fala demais… Flávio teria identificado as digitais de seu suplente na divulgação de informações contra ele. Desde a campanha, quando cedeu sua casa para o QG de Bolsonaro, Marinho estaria distante da família. Ele sequer participou da posse do presidente.

Te avisei. Segundo interlocutores, Flávio Bolsonaro chegou a conversar com o presidente sobre Marinho e Bebianno. Porém, resolveram colocar panos quentes na situação. Foi Bebianno quem apresentou Paulo Marinho a Bolsonaro.

Com a palavra. Procurado, Marinho disse ter uma “ótima relação” com Flávio. Bebianno afirmou desconhecer as considerações. “Não me compete fazer esse tipo de análise”.

Todo santo ajuda. Secretário da Previdência, Rogério Marinho vai se reunir com Mauro Benevides Filho, coordenador da campanha de Ciro Gomes à Presidência, para pedir ajuda na reforma da Previdência. Dos três pilares defendidos por Benevides, dois estão alinhados com o governo.

Mais um. Na dúvida se deve participar do bloco de oposição ao governo, a Rede avalia lançar a sua única deputada federal, Joênia Wapichana, para disputar a presidência da Casa. A ideia é ao menos conseguir dar visibilidade às pautas ambientalistas e indígenas do partido e da parlamentar.

Jogada ensaiada. Um dia antes de desistir da sua candidatura, Kim Kataguiri (DEM) se reuniu duas vezes com Rodrigo Maia. Acertaram que Kim apoiaria Marcel van Hattem (Novo) no primeiro turno. Maia aproveitou e pediu o voto dos dois para o segundo.

Chances… Entidades responsáveis pela elaboração e aplicação do exame do Enem rebateram a afirmação de Bolsonaro de que alguém do PT pode vazar a prova. O Estado ouviu a preocupação do presidente enquanto ele tomava café da manhã em Davos.

…reduzidas. As alegações das instituições são de que desde o vazamento do Enem, em 2009, as gráficas são contratadas em condições especiais de segurança e sigilo e a Polícia Federal acompanha todas as execuções: da chegada das mídias até a aplicação das provas.

CLICK. Ao encontrar centenas de fotos do ex-governador guardadas em uma sala, Romeu Zema decidiu acabar com as imagens nas repartições públicas de Minas.

Pedra no sapato. Senadores da Rede avaliam entrar com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo para sustar a medida provisória de Bolsonaro que, entre outras coisas, retira a demarcação de terras indígenas da Funai.

Offline. O Gabinete de Segurança Institucional está pedindo o bloqueio de perfis falsos do ministro Augusto Heleno no Twitter e no Instagram. Heleno não possui contas oficiais nas redes e ainda não decidiu se vai aderir ao modo virtual do governo Bolsonaro.

SINAIS PARTICULARES – A SÉRIE

DISPUTA NA CÂMARA

 

PRONTO, FALEI!

“Pergunto-me se o reconhecimento do governo Juan Guaidó leva à ruptura de relações diplomáticas. Seria prejudicial aos brasileiros”, DO EX-MINISTRO DE RELAÇÕES EXTERIORES ALOYSIO NUNES, sobre crise na Venezuela.

COM NAIRA TRINDADE, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU FELIPE FRAZÃO

Tudo o que sabemos sobre:

Flávio BolsonaroJair BolsonaroCoaf

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.