Fim do foro está parado há cinco meses na CCJ da Câmara

Fim do foro está parado há cinco meses na CCJ da Câmara

Luiza Pollo

24 de outubro de 2017 | 05h30

Foto: Dida Sampaio

 

Aprovada pelo Senado em maio deste ano, a proposta que altera a Constituição e acaba com a prerrogativa de foro para deputados, senadores e outras autoridades federais está há cinco meses parada na Câmara. A aprovação do texto é defendida pelo juiz Sérgio Moro e integrantes da força-tarefa da Lava Jato. Passados três anos e sete meses do início da operação, nenhum dos investigados protegidos pelo foro foi denunciado pelo STF. O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), diz que decide hoje “com calma” quando vai pautar o tema.

Sem desculpa. A proposta do fim do foro está pronta para ser votada na CCJ há um mês. O relator, Efraim Filho (DEM-PB), é pela constitucionalidade. Ele não faz juízo de valor. A “análise de sua conveniência e oportunidade”, escreveu, é da comissão especial.

Boletim. Até as eleições de 2018, a cúpula do PMDB pretende medir a fidelidade dos parlamentares do partido ao governo para decidir como distribuirá o fundo eleitoral aprovado pelo Congresso e administrado pelas direções partidárias.

Vale ponto. A lealdade a Michel Temer terá pontuação elevada nesta avaliação. O primeiro teste será quarta quando a Câmara votará a 2.ª denúncia contra ele.

Almoço grátis. Vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG) já colocou a leitoa para assar. A exemplo da 1.ª denúncia, Temer vai jantar na casa dele hoje para pedir apoio a cerca de cem convidados. No cardápio também tem feijão tropeiro e linguiça.

Me errem. Tucanos tentaram convencer o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a assumir temporariamente a presidência do PSDB. FHC é visto como único nome a unificar o partido. A interlocutores, no entanto, ele descartou qualquer chance de assumir o posto.

Mais prazo. É pequena a expectativa de que Aécio Neves se afaste hoje da presidência do PSDB como quer o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Tucanos pró-Aécio sugerem que o partido espere a votação da 2.ª denúncia contra Temer na Câmara para que seja tomada alguma decisão.

SINAIS PARTICULARES: Tasso Jereissati, presidente interino do PSDB; por Kleber Sales

Força oculta. Aliados de Michel Temer iniciaram uma pressão para que ele substitua os ministros-deputados logo após a votação da 2.ª denúncia. Argumentam que eles estariam mais preocupados com suas reeleições do que com as prioridades do governo.

Linha ocupada. O próprio Michel Temer ficou incomodado ao telefonar para um de seus ministros, diante de deputados, e não conseguir encontrá-lo porque o auxiliar estava na base eleitoral. O governo tem 11 ministros da Câmara dos Deputados.

CLICK. Após ser alvo de busca pela PF, o deputado Lúcio Vieira Lima voltou à rotina. Ele e o irmão Geddel ainda não explicaram os R$ 51 milhões guardados num imóvel em Salvador.

FOTO: Naira Trindade

 

É oficial. O Diário Oficial da União de hoje traz a nomeação de Alexandre Cordeiro Macedo para o cargo de superintendente-geral do Cade e de Polyanna Ferreira Silva Vilanova como conselheira.

Fazendo a mala. O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) negocia possível migração para o PSB. O motivo seriam atritos com a ex-senadora Marina Silva, principal liderança da Rede.

BOMBOU NA REDE!

“Desta vez o PT não está fazendo lives da caravana de Lula em Minas. As filmagens ao vivo no Nordeste revelaram o fracasso da caravana”, do PRESIDENTE NACIONAL DO PTB, ROBERTO JEFFERSON, sobre o novo tour do ex-presidente Lula.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU IGOR GADELHA. 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

 

Tendências: