‘Faremos o máximo de desestatizações até o fim do ano’, diz Doria

‘Faremos o máximo de desestatizações até o fim do ano’, diz Doria

Marcelo de Moraes

06 de fevereiro de 2017 | 05h28

il0602x

ENTREVISTA JOÃO DORIA

Ao completar um mês à frente da Prefeitura de São Paulo, João Doria deflagra, agora, uma etapa que considera central na sua administração: fazer o maior programa de privatização de um município no Brasil. Doria ainda vai definir se essas vendas, concessões e PPPs serão enviadas em bloco ou não para a Câmara Municipal, mas já iniciou as conversas com os vereadores para tentar garantir que as autorizações sejam aprovadas o mais rápido possível. “Quero que todo esse processo seja concluído, na sua maioria, até o final de 2017”, diz.

Desestatizações
Essa semana fui na abertura dos trabalhos da Câmara Municipal já para tratar da aprovação do programa de desestatização, porque vamos começar a enviar os projetos. A ideia é São Paulo fazer o mais vigoroso programa de privatização municipalista do País.

Negociar com vereadores
Vamos ter boa relação com a Câmara. Estou muito tranquilo em relação a isso. Mas precisamos tratar desse assunto das desestatizações com seriedade. Porque são muitos projetos, como Interlagos, Anhembi, Pacaembu, cemitérios. Cada um, certamente, será alvo de grande debate. Estamos avaliando ainda, mas como são muitas coisas, provavelmente não será possível enviar todas as propostas de desestatização à Câmara num projeto só.

Votações
Queremos avançar rapidamente nessa discussão para que todas as concessões, PPPs e privatizações sejam concluídas, na sua imensa maioria, ainda em 2017.

Recursos
O dinheiro é menor do que deveria ser. Mas em vez de ficar reclamando, prefiro investir tempo trabalhando e encontrando soluções criativas. Já orientei minha equipe de trabalho avisando que precisamos olhar para frente em vez de ficar criticando a gestão anterior. No máximo, faremos registro da informação de algum déficit aqui e acolá apenas para que fique claro se aconteceu algo desse tipo. Mas não vamos transformar isso numa crítica contundente. Porque não vai resolver nada. A população votou em nós para resolver os problemas. Viramos a página. Culpar a gestão anterior não funciona.

Primeiro mês
A ideia era de, desde o início do mandato, colocar a Prefeitura na rua, com prefeito e secretários executando ações pela cidade.

Críticas às parcerias
Não está correta essa avaliação de que pode haver problema nas parcerias da Prefeitura com as empresas privadas. O único vínculo que será criado é o da cidadania. É o reconhecimento da atitude e do gesto cidadão de pessoas e de empresas. Isso está sendo feito em prol da sociedade. Já são mais de R$ 30 milhões de serviços realizados pela cidade nesse modelo de parceria com as empresas.

Foco demais em pichação
Eu não acho que tenha centralizado demais a Prefeitura nessa questão. Fizemos trabalhos em muitas áreas nesses trinta dias de administração, incluindo o combate aos pichadores. Eles faziam o que queriam em São Paulo. Picharam a cidade inteira. Agora acabou. Não vão mais fazer isso.

Arte x pichação
Combater a pichação é uma medida saneadora para a cidade para coibir a destruição das propriedades públicas e privadas e de monumentos. Fiz porque tinha de fazer. Respeito e amparo os grafiteiros e muralistas. Do Beco do Batman eu até gosto muito, por exemplo. Esses artistas merecem respeito e amparo. Pichadores merecem a lei e a prisão.

O que preocupa
Nesse primeiro mês, as áreas de maior preocupação maiores são Saúde, Educação e Transportes. Mas na Saúde já fizemos mais de 120 mil exames dentro do Corujão da Saúde, o que é um avanço excepcional.

Problemas de São Paulo
É possível fazer boa gestão independentemente de ter dinheiro. Mas tem problemas de todos os tipos. Reabrimos parques que estavam, literalmente, fechados com correntes há dois anos. Há quatro anos não se fazia pulverização contra mosquitos nas marginais do Tietê e Pinheiros.

ENTREVISTA A MARCELO DE MORAES

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

João Doria

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.