Faltam insumos para intubação, diz Conass

Faltam insumos para intubação, diz Conass

Coluna do Estadão

09 de fevereiro de 2021 | 05h00

Médicos tratam paciente com coronavírus Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Na linha de frente do combate à covid-19 no País, Estados e municípios enfrentam agora um novo desafio com o recrudescimento da pandemia. Para além da crise do oxigênio e de leitos de UTI, faltam luvas, sedativos e outros insumos necessários para os processos de intubação de pacientes em casos graves, afirma o presidente do conselho de secretários (Conass), Carlos Lula. A escassez de material também elevou os preços em todo o País. Uma luva cirúrgica, por exemplo, que custava R$ 0,90 até bem pouco tempo, agora chega a custar R$ 1,90.

Éter. A volatilidade nos preços preocupa governadores. Alguns foram alvo de operações da PF em 2020.

Help! Desde o ano passado, os gestores da Saúde enfrentam dificuldades para encontrar bombas de infusão, que automatizam a medicação ao paciente. Roraima, por exemplo, chegou a pedir o material no grupo de secretários, mas ninguém tinha sobrando.

Help! 2. Os governadores querem que a Saúde centralize a ajuda nas compras dos insumos. O Conass vai acionar o ministério.

Rareou. Segundo Lula, o sedativo para intubar voltou a ficar escasso porque aumentou o número de internações. “Está acontecendo no País inteiro. Os pacientes com covid-19 somam-se aos que são internados por outros problemas.”

Senhor do destino. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, afirma que não admitirá pressão para levar ao plenário o julgamento da liminar que suspendeu a implantação do juiz de garantias. A medida foi barrada por Fux em janeiro do ano passado.

Calma. “O relator não pode admitir que queiram impor a ele uma pauta. Pauto no momento em que o processo estiver devidamente instruído”, diz Fux, que deve remarcar as audiências públicas sobre o tema.

Mais uma. Do advogado Fábio de Oliveira Machado, que defende Geraldo Alckmin, sobre a extinção, pelo TJ-SP, de ação contra o ex-governador por obras do Rodoanel: “Era uma coisa absurda. Ele sequer exercia cargo público na época (2010) dos fatos narrados pelo Ministério Público”.

Vem. Após Lula ter lançado Fernando Haddad a presidente, Ciro Gomes não perdeu tempo: está dizendo aceitar Lula como vice.

CLICK. O Aeroporto de Brasília parece ter voltado à “normalidade” dos tempos de pré-pandemia: estava lotado. Parlamentares chegavam para as sessões de hoje.

Coluna do Estadão

Bem na fita. O deputado Darci de Matos (PSD-SC) é o mais cotado para assumir a relatoria da reforma administrativa na Comissão de Constituição e Justiça.

SINAIS PARTICULARES.
Hamilton Mourão, vice-presidente da República

Kleber Sales

Só Jesus… Hamilton Mourão pediu ao novo embaixador de Portugal no País, Luís Faro Ramos, que opere um milagre futebolístico e diplomático. “Traga o Jorge Jesus de volta ao Flamengo”, suplicou o vice-presidente, insatisfeito com o desempenho do rubro-negro nesta temporada.

…salva. Faro Ramos diz não acreditar no retorno do português (atualmente treinando o Benfica) supercampeão ao Brasil. “Transmiti o recado, mas não obtive resposta”, disse o embaixador.

Boa ideia. O governo de Pernambuco fechou parceria com a Uber para levar idosos acima de 85 anos até postos de vacinação. A iniciativa abrange Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Paulista e Camaragibe.

PRONTO, FALEI!

DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Talíria Petrone, deputada federal (PSOL-RJ): “Aparentemente, Arthur Lira não quer que ele e deputados sejam interpelados pelos profissionais. Isso é transparência?”, sobre mudança no comitê de imprensa.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM FELIPE FRAZÃO E RAFAEL MORAES MOURA

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.