Exército se recusa a fornecer informações sobre portarias que aumentavam controle de armas

Exército se recusa a fornecer informações sobre portarias que aumentavam controle de armas

Marianna Holanda

04 de junho de 2020 | 05h10

Foto: Reprodução/Instagram Jair Bolsonaro

O Exército se recusa a fornecer ao Instituto Sou da Paz acesso a documentos utilizados na elaboração das três portarias que aumentavam o controle de munições e a rastreabilidade de armas no País. O instituto solicitou, via Lei de Acesso, informações sobre notas técnicas, memorandos, atas e minutas que embasaram as portarias, posteriormente revogadas por Jair Bolsonaro.

Não. O Exército informou que a decisão de revogar as portarias não foi embasada por nenhum documento formal. Como mostrou o Estadão, o Comando Logístico do Exército admitiu ao Ministério Público Federal ter revogado as portarias por pressão do governo e de apoiadores do presidente Bolsonaro nas redes sociais.

Não 2. Questionada pela Coluna, a comunicação do Exército chegou a informar que entregaria os documentos. Mas indeferiu pela terceira vez o pedido.

Tentativa. A alegação do Exército: os documentos “estão sendo utilizados como fundamento de uma tomada de decisão, de um ato administrativo futuro, que se materializará após a conclusão da reanálise e dos ajustes”.

Cuma? Para a ONG, a justificativa não faz sentido, uma vez que não questionou os documentos que vão embasar uma eventual próxima portaria. Segundo dizem, não há impeditivo para apresentação de documentos anteriores.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: