‘Ex-combatentes’ fazem alerta a Paulo Guedes

‘Ex-combatentes’ fazem alerta a Paulo Guedes

Coluna do Estadão

21 de fevereiro de 2019 | 05h00

Apesar de reconhecerem as qualidades do texto de Paulo Guedes e a urgência da reforma, parlamentares que enfrentaram a batalha (perdida) da Previdência na gestão Michel Temer fazem um alerta ao ministro: se o governo tiver sacos de areia para soltar, é melhor não relutar muito em liberá-los. Caso contrário, dará aço para a oposição tentar impedir o balão de subir na opinião pública. O prazo para os congressistas apresentarem suas alterações é de 40 sessões da Comissão Especial, tempo suficiente para o metal oposicionista virar uma bigorna.

Onde dói. Os parlamentares já dão como certo que as alterações da aposentadoria rural e a possibilidade de alterar a idade mínima sem mexer na Constituição são muito controversas para serem aprovadas.

Quem manda. A presidente da CCJ no Senado, Simone Tebet, que coordenará uma subcomissão sobre a reforma, disse estar muito tranquila com o texto apresentado. “A gente sabe que a proposta entra de um jeito e sai de outro.”

Lipo. Ao deixar a reunião de governadores, Flávio Dino (PCdoB-MA) também brincou com as chamadas “gorduras” no texto. “A bichinha está obesa”, disse.

Fitness. O discurso da equipe econômica, no entanto, é de que não há gordura para cortar. Paulo Guedes tem dito que quer economizar, pelo menos, R$ 1 trilhão em dez anos.

CLICK.  O Senado Federal mudou o sistema de segurança para a entrada de visitantes nas dependências da Casa. A alteração causou filas e muitas reclamações.

CRÉDITO: ELIANE CANTANHÊDE

Calma… O secretário Rogério Marinho prometeu enviar a reforma dos militares até o dia 30, mas eles seguem brigando para que o texto só seja encaminhado depois da aprovação dos civis no Senado.

Todo mundo dentro. O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) vai apresentar emenda para que a reforma já passe a valer imediatamente para os deputados desta legislatura. Os atuais poderão optar pelo regime especial de aposentadoria.

Gol. O novo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), passou na sua primeira tarefa no cargo. Ao lado de técnicos do ministro Sérgio Moro, aprovou por unanimidade o texto que trata do financiamento de organizações terroristas. Teve aval do PT.

Cavalinho… Em mais uma demonstração do isolamento do líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, coube ao presidente da Casa, Rodrigo Maia, adiar o café da manhã de Bolsonaro com líderes.

…na chuva. Insatisfeitos, líderes avisaram a Maia que não compareceriam à reunião. Um deles chegou a dizer: “Café pra depois ele tirar fotinha e falar que somos base aliada?”.

O básico. Com a bancada do PSL, Bolsonaro deu dicas aos novatos: estudem a pauta antes das votações.

SINAIS PARTICULARES

NOVOS LÍDERES DO CONGRESSO

Luis Tibé, líder do Avante na Câmara (MG)

CRÉDITO: KLEBER SALES

Lá… O veterano Barros Munhoz (PSB) ocupou a tribuna da Assembleia-SP para apontar a incoerência do PSL, que na disputa do Senado apoiou Davi Alcolumbre (DEM-AP) para presidente, ainda que ele não fosse candidato do partido de maior bancada.

…e cá. Em SP, no entanto, o PSL quer usar justamente o critério da maior bancada (a dele) para eleger Janaína Paschoal presidente do Legislativo. Munhoz faz parte de um bloco que tem também o PSDB, o DEM e outros partidos.

PRONTO, FALEI!

Frederico d’Avila. FOTO: TV CULTURA

Frederico D’Ávila, ruralista e deputado estadual (PSL-SP): “Foi uma punhalada nas costas do agricultor e deixou uma bomba no colo de Bolsonaro”, sobre decreto que tirou desconto na tarifa de luz de produtores rurais.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU ELIANE CANTANHÊDE

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: