Eunício sobre ocupação no plenário: “Deixa elas lá comendo marmita”

Andreza Matais

11 de julho de 2017 | 14h36

Ilustração: Kleber Sales/Estadão

 

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse à Coluna que não vai transferir a votação da reforma trabalhista do plenário para um auditório na Casa. A Mesa do Plenário foi ocupada na manhã de hoje por senadoras da oposição contrárias ao texto. Eunício mandou cortar a luz do plenário, o som dos microfones e o ar condicionado numa reação a ocupação do plenário.

Eunício disse que vai aguardar da presidência do Senado que elas desistam de permanecer na Mesa da Casa para que possa retomar a sessão do plenário. “Jamais eu faria isso (transferir a sessão para o auditório). Isso abriria um precedente. Deixa elas lá comendo marmita. Nesses três dias não é possível que não saiam de lá”, disse ele.

Eunício afirmou à Coluna que o objetivo das senadoras é que ele acione a polícia do Senado para que elas sejam retiradas à força, mas que não irá cair nessa provocação. “Nunca”.

O presidente do Senado afirmou que “lamenta profundamente” o ato da oposição porque ele poderia ter votado a reforma antes, mas concedeu cinco sessões de discussão. “A oposição personificada num grupo de senadoras conseguiu hoje o que nem a ditadura havia conseguido: cobriu o Senado de vergonha. Ao tomar a Mesa atentaram contra a democracia. Pode fazer barulho, gritar, é do jogo. Mas ocupar a Mesa e impedir os trabalhos não pode”, complementou.