Estatais distribuíram lucro em ano de prejuízo

Estatais distribuíram lucro em ano de prejuízo

Coluna do Estadão

23 de março de 2019 | 05h00

Correções: 26/03/2019 | 00h30

Relatório produzido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) mostra que oito estatais, todas ligadas ao grupo Eletrobrás, distribuíram participação de lucros a seus funcionários mesmo tendo registrado prejuízo. O material foi produzido para um processo que consta na pauta da próxima quarta-feira e analisa os salários dessas empresas. Os números causaram tanto alvoroço que já há ministros procurando brechas na lei para enquadrar, ao menos aquelas cujos orçamentos dependam da União, no teto remuneratório do serviço público.

Ralo. As abonadas foram a Eletronuclear, Ame, Ceal, AmGT, Cepel, Ceron CGTEE e EletroAcre. A justificativa foi de que o programa incluía outras metas e indicadores além do lucro.

Abate. Segundo o relatório, caso todas as estatais se submetessem ao teto, a economia anual seria de R$ 622 milhões e 4,7 mil empregados, ou 1,2%, teriam corte. Petrobrás e BNDES seriam os mais afetados.

Cadê todo mundo? Com a crise na articulação política instalada, o medo dos governistas é de não ter nem mesmo os votos necessários para votar a reforma da Previdência na CCJ.

Artilharia… Enquanto o Planalto bate cabeça, o Exército faz o dever de casa. O comandante militar do Sudeste, general Luiz Ramos,recebeu a bancada paulista ontem para conversar sobre o projeto de aposentadoria e reestruturação de carreira.

…pesada. “A única coisa que nos incomodou foi essa história de que a reforma só vai andar se a dos militares entrar primeiro. Por que essa imposição? E o Judiciário? E a do Legislativo?”, questionou Ramos.

Diálogo. O encontro foi o primeiro de uma série que ocorrerá nos comandos regionais com as bancadas, e foi articulado pelo comandante do Exército, Edson Leal Pujol, para explicar e diminuir resistências.

CLICK. Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) é tietado no Chile, em viagem com o pai. No mesmo dia, o deputado deu declaração polêmica sobre uso da força na Venezuela.

O argumento. O governo espera barrar a articulação do Congresso para derrubar o decreto de Bolsonaro que liberará turistas de vistos com números. O balanço recém-fechado revela que, só com o visto eletrônico, a entrada de canadenses cresceu 45% de 2017 para 2018.

Zap-zap. Investigadores envolvidos na prisão de Michel Temer têm boa expectativa sobre o conteúdo que podem encontrar nos celulares apreendidos. Além do material armazenado na memória, apostam nas conversas flagradas pelas interceptações feitas pelo juiz Marcelo Bretas.

Famoso quem? Na confusão da prisão de Michel Temer, na quinta-feira, o advogado Thiago Machado deu entrevistas como se integrasse a defesa do ex-presidente. Não integra e é apontado como próximo ao governador Ibaneis Rocha.

SINAIS PARTICULARES

NOVOS LÍDERES DO CONGRESSO

Joice Hasselmann, líder do governo no Congresso (PSL-SP)

Crédito: Kleber Sales/Estadão

Porteira fechada. Nome aventado pela bancada evangélica para assumir o Ministério da Educação, o senador e vice-líder do governo, Izalci Lucas (PSDB-DF), tem interesse no cargo, mas só se não tiver que dividir a Pasta com militares e com as indicações do escritor Olavo de Carvalho.

Devagar. Nem o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) escapou da paralisia do MEC. Nos últimos anos, em março, o porcentual de vagas preenchidas ficou, em média, em 20%. Este ano não chega a 5%, ou a mil inscritos.

PRONTO, FALEI!

JOAO RICARDO/PTB

Pedro Lucas Fernandes, líder do PTB na Câmara: “Rodrigo tem credibilidade suficiente para alavancar a reforma da Previdência, coisa que o governo ainda não tem”, sobre crise na articulação no Congresso.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Correções
26/03/2019 | 00h30

O advogado Thiago Machado, diferentemente do informado, não esteve com Michel Temer na quinta-feira passada, logo após a prisão dele, por ser ligado ao governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), mas por integrar a equipe de advogados do ex-presidente há mais de três anos.

Tudo o que sabemos sobre:

Jair BolsonaroestataisTCU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.