Estados tratam restrições no carnaval como possível ‘esforço final’ antes de liberar máscaras

Estados tratam restrições no carnaval como possível ‘esforço final’ antes de liberar máscaras

Camila Turtelli e Matheus Lara

22 de fevereiro de 2022 | 05h00

Passageiros de máscaras a espera do transporte público, no centro de São Paulo. Foto: Sebastião Moreira/EFE

O Fórum de Governadores destacou em seu calendário o dia 15 de março como data limite para que o País alcance a marca de 80% da população vacinada contra a covid-19 e já acionou comitês científicos estaduais para estudar medidas de maior flexibilização, como desobrigar o uso de máscaras. Para o grupo, a meta será alcançada após o carnaval, que vem sendo tratado pelos governadores como um possível último esforço em termos das maiores restrições para evitar aglomerações. Além das medidas neste feriado, para controle da Ômicron, os governadores prometem pressionar a Anvisa para liberar o uso do Paxlovid, medicamento da Pfizer, para tratamento da covid-19 no País.

META. “Temos uma grande possibilidade de, após o carnaval, alcançarmos 80% de nossa população vacinada”, disse Wellington Dias (PT), governador do Piauí e também coordenador do Fórum. “É uma das condições para termos medidas de flexibilização planejada com segurança. Vamos seguir os comitê científicos. Mas sim, é possível medidas gradativas e até o fim da obrigatoriedade de máscaras”.

LEMBRA? A campanha de Ciro Gomes (PDT) deve ter a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) como consultora para assuntos dessa área. Lideranças pedetistas já veem como irreversível a decisão de Marina de não ser candidata a vice na chapa com Ciro.

MELHOR NÃO. Um dos motivos para Marina não sair de vice, segundo fontes, é a presença de João Santana no time do PDT. O marqueteiro comandou a campanha agressiva de Dilma Rousseff (PT) em 2014 para a Presidência da República contra Marina.

PRA… Levantamento da .MAP, que monitora Twitter e Facebook, os “antivacina” têm tentado aproveitar a vacinação de crianças para levar suas teses anticiência para o centro do debate. Se por um lado, a situação é vista como um risco, por outro, os números mostram um efeito maior dentro da própria bolha negacionista.

…FICAR… Entre os dias 9 e 15 de fevereiro, por exemplo, perfis associados a esta parcela da direita concentraram 47% das publicações contra a vacinação, fazendo as menções positivas ao imunizante chegarem a 19%. Apesar disso, tiveram resposta de apenas 10% de seus opositores.

…DE OLHO. “É uma bolha que está fazendo pressão”, diz a diretora-geral da .MAP, Marília Stabile. “A opinião pública sem tendência política e os associados à esquerda se retiraram do debate neste período, mas o discurso contra a vacina, especialmente para as crianças, prejudica os índices de vacinação infantil.”

CLICK. Gilberto Kassab, presidente do PSD

Dirigente (no centro) ficou preso em elevador, em São Paulo, e pediu socorro com foto em redes sociais. “Quem puder ajudar, agradecemos”, escreveu. Ele chegou a tuitar que estava em Brasília, na Câmara, mas depois informou que estava no Conselho Regional de Contabilidade, na capital paulista.

GRANA. A Faculdade de Direito da USP, uma das mais tradicionais do País, criou um fundo próprio de sustentabilidade institucional e financeira, o “Sempre Sanfran”. Doações arrecadadas pelo fundo serão destinadas a projetos e ações da escola, bolsas e melhorias em infraestrutura.

NEM VEM. Apesar das investidas, a pré-candidata à Presidência da República pelo MDB, senadora Simone Tebet (MS), segue firme no posto de cabeça de chapa, negando possibilidades de ser vice de outros pretendentes.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Simone Tebet, presidenciável do MDB

TÔ COM A BOLA. Nos bastidores da pré-campanha da emedebista, a brincadeira é que é Simone Tebet quem vai ter de escolher um dos pretendentes entre os pré-candidatos já colocados na disputa para compor de vice na sua chapa.

PRONTO, FALEI! Carlos Siqueira, presidente do PSB

“É um direito do PT, mas ainda acreditamos em entendimento”, após PT lançar Fabiano Contarato ao governo capixaba enquanto negocia federação com o PSB.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.