Estados esperam apoio do ministro a restrições

Estados esperam apoio do ministro a restrições

Coluna do Estadão

16 de março de 2021 | 05h00

Foto: Divulgação/SBC

A escolha de Marcelo Queiroga para a Saúde indica, segundo secretários e governadores ouvidos pela Coluna, que Jair Bolsonaro insistirá em manter sua estratégia empregada até aqui na luta para sobreviver politicamente à tragédia da covid-19 no País: apostar na vacina e continuar refratário às políticas públicas de isolamento social. Apesar de elogios feitos ao novo titular da pasta, reservadamente, poucos secretários apostam que o médico-ministro terá independência. Também não faz parte do perfil dele, dizem, bater de frente com quem está acima.

A ver. A cloroquina já ficou para trás. Neste momento, a questão do lockdown é central para os Estados no curto prazo. Governadores e secretários querem de Queiroga o compromisso de que o presidente não incentivará ações intimidatórias contra eles, os médicos e os hospitais.

Vixe! Os ataques e as ameaças à médica Ludhmila Hajjar deixaram políticos assustados. Foram empregados contra ela métodos típicos de milicianos.

Limite. Em São Paulo, por exemplo, João Doria admitiu o que o blog da Coluna já havia publicado: o Plano São Paulo está no limite; se a situação não melhorar, um lockdown total terá de ser adotado.

Boto… Fábio Vilas-Boas, secretário da Saúde da Bahia, é amigo de Queiroga. Segundo ele, o novo ministro tem “excelente capacidade de articulação”. Sobre as medidas restritivas, ele aposta: “Como todo bom médico” deve ser favorável ao isolamento social.

…fé. “Queiroga passou os últimos 30 anos de sua vida participando de associações médicas. Tem o dom do diálogo, da negociação, isso vai ser importante neste momento de pandemia”, afirmou Vilas-Boas.

Pera… O presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, diz não haver indício de problema com a vacina da Astrazeneca em publicações científicas e oficiais das agências europeias.

…lá. “Há que se ter muita calma. Não podemos nos esquecer de que há muitos interesses envolvidos, além do salvamento de vidas. Interesses econômicos em uma vacina gratuita.”

Que é… Sobre Queiroga ser médico, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta recorreu ao bordão de Tadeu Schmidt no Fantástico (TV Globo): “Sabe o que isso significa!? Nada”.

…isso, rapaz?! “Não adianta mudar o ministro, tem que mudar a conduta do presidente. Caso contrário… Quais foram as condições que ele aceitou para ser ministro? Dar continuidade, como disse Pazuello? Dar continuidade ao que manda o Bolsonaro? Vai continuar propondo aglomeração?”, questionou Mandetta à Coluna.

SINAIS PARTICULARES. 
Jair Bolsonaro, presidente da República

Ilustração: Kleber Sales

Mito? Em reunião com representantes das seis principais centrais sindicais do País, João Doria chamou Jair Bolsonaro de “mito da morte” após os sindicalistas terem prestado solidariedade a ele por causa das recentes ameaças que o governador recebeu. Participaram CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST e CSB.

Tamo junto. No encontro, as centrais apoiaram as medidas de isolamento social impostas pelo Estado para conter o avanço dos casos de covid-19 e apresentaram um conjunto de propostas para que, durante os períodos de lockdown, o governo estadual apresente medidas de compensação aos trabalhadores.

Lista. Dentre eles está o escalonamento e o aumento da oferta de transporte público para diminuir aglomerações. Os outros pedidos são focados nos setores cultural e alimentício. Dentre elas, estão o pagamento de auxílio no valor de R$ 1 mil para profissionais do setor de eventos, parcelamento em até cinco vezes das dívidas de ICMS de qualquer empresa do setor, isenção de IPVA para veículos de empresas ou de microempreendedores individuais, dentre outros.

CLICK. A deputada Tábata Amaral (PDT-SP) lamentou a desistência da dra. Ludhmila Hajjar para a Saúde. Ela creditou a decisão ao “negacionismo de Bolsonaro”.

Reprodução/Instagram

Mais… Por unanimidade, o TJ-SP confirmou a decisão de 2019 e extinguiu ação do Ministério Público que denunciava o ex-governador Geraldo Alckmin e o ex-secretário da Fazenda Helcio Tokeshi por improbidade administrativa.

…uma. Das quatro ações por improbidade propostas pelo MP paulista, Alckmin (PSDB) já ganhou três.
E outra. No mês passado, o TJ arquivou ação proposta pelo MP paulista contra Fernando Haddad (PT) por não haver elementos que sustentassem a acusação.

PRONTO, FALEI! 

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Fausto Pinato, deputado federal (PP-SP): ”Não adianta trocar o ministro da Saúde se o presidente Bolsonaro continuar sabotando a implementação das práticas exigidas pela medicina na prevenção e combate ao vírus Covid 19.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.