Estados abrem diálogo por vacina da Pfizer

Estados abrem diálogo por vacina da Pfizer

Coluna do Estadão

05 de janeiro de 2021 | 05h00

Foto: Reuters/Dado Ruvic

Enquanto o Ministério da Saúde continua patinando para apresentar um calendário de vacinação contra a covid-19, os gestores estaduais deram o primeiro passo para negociar imunizantes com a Pfizer. O Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) enviou um memorando manifestando interesse em dar início às conversas, após secretários terem sido consultados pela empresa no apagar das luzes de 2020. Segundo o presidente do conselho, Carlos Lula, a maioria dos Estados teria demonstrado interesse. A bola agora está com a Pfizer.

Dianteira. “Consultei os secretários para ver quem teria interesse e a maioria afirmou ter. Dissemos a eles que queremos abrir negociação, é só um primeiro passo da conversa”, disse Carlos Lula (MA).

Com a palavra. A Pfizer afirmou à Coluna ter recebido contato de Estados, mas disse que continua em negociação com o Ministério da Saúde e aguarda definição do governo federal.

Não tá… O Itamaraty, ao menos a princípio, deve deixar a dianteira das negociações a respeito do veto da Índia às exportação de vacinas da AstraZeneca para o Ministério da Saúde.

…comigo. Reservadamente, um membro do Ministério das Relações Exteriores afirmou que o envolvimento será indireto. A expectativa é de que o assunto seja resolvido em conversas entre autoridades sanitárias do Brasil e da Índia.

Opa. A embaixada brasileira em Nova Délhi acompanha o assunto, mas a posição da diplomacia brasileira gera um impasse, já que a Fiocruz pediu ao Itamaraty que trabalhasse para impedir o veto à exportação de 2 milhões de doses.

Questão de… Em abril do ano passado, o envolvimento foi mais direto: o próprio Jair Bolsonaro, acompanhado do chanceler Ernesto Araújo, conversou com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

…prioridades. O presidente pediu (e conseguiu) o desbloqueio da exportação de insumos farmacêuticos para a produção da hidroxicloroquina. Até hoje, não há estudos científicos comprovando sua eficácia no combate ao coronavírus.

CLICK. O senador Major Olímpio (PSL-SP) fez apelo pela vacinação contra a covid-19. “Vidas brasileiras importam.”

Braçadeira. Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) coordenará a estratégia de campanha de Baleia Rossi (MDB-SP) a presidente da Câmara dos Deputados. Terá a ajuda de Isnaldo Bulhões (MDB-AL), ligado ao clã Calheiros, adversário de Arthur Lira (PP) em Alagoas. Ribeiro sonhava em ser o candidato do grupo de Rodrigo Maia, posto que ficou com Baleia.

Oficial. O lançamento oficial da candidatura de Baleia deve ocorrer amanhã, em Brasília, e contará com a participação de líderes dos 11 partidos envolvidos na empreitada: MDB, PSDB, DEM, Cidadania, PV, PT, PCdoB, PSB, PDT, Rede, PSL.

Ofensiva. Arthur Lira (PP-AL) vai iniciar o tour nacional para angariar apoio ao comando da Câmara centrando fogo em dois partidos que apoiam seu adversário, Baleia Rossi (MDB-SP).

De olho. Ele se reúne hoje com o governador do Amapá, Waldez Góes, do PDT, e com o governador do Pará, Helder Barbalho, justamente do MDB. A bancada do PDT está rachada em torno do emedebista, o que dá a Lira a esperança de poder contar com grande número de dissidentes.

Hit. A enorme repercussão do recente editorial do Estadão contando as horas para o final do mandato de Jair Bolsonaro fez muita gente na oposição se lembrar de uma singela canção de Zeca Baleiro.

Hit 2. “A tartaruga com relógio em cima do casco, não vê a hora / Não vê a hora de ficar lá dentro do seu casco, fazendo hora / Fazendo hora até chegar a hora de partir e ir embora”, diz a letra da música.

SINAIS PARTICULARES.
Jair Bolsonaro, presidente da República

Ilustração: Kleber Sales

 

PRONTO, FALEI! 

Senador José Serra. FOTO: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

José Serra, senador (PSDB-SP): “Em uma época de tanta desinformação, é urgente reafirmar a importância do jornalismo profissional, defensor das liberdades”, sobre os 146 anos do Estadão.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.