Estabilidade política como fator econômico

Estabilidade política como fator econômico

Coluna do Estadão

07 de novembro de 2019 | 05h00

O resultado abaixo do esperado pelo País no leilão do pré-sal consolidou entre analistas do mercado uma percepção antiga: o ajuste nas contas não surtirá o efeito desejado se, politicamente, o Planalto não conseguir dar ares de estabilidade ao governo tendo em vista os grandes investidores. Também na seara econômica, o pacote de medidas foi encarado por setores importantes do Congresso como uma “carta de intenções”: algumas iniciativas (extinguir municípios, por exemplo) têm poucas chances de prosperar em período pré-eleitoral.

Mudou. Comentário entre vários senadores: o ministro Paulo Guedes melhorou sua postura no trato com parlamentares. Acham que ele desceu do salto e está mais afável com o Congresso, bem diferente do ministro dos tempos da reforma da Previdência.

Velho Chico. O senador Otto Alencar (PSD-BA), relator da PEC que desindexa os fundos, conversou com Guedes sobre a criação de um específico para a revitalização do Rio São Francisco. O ministro não se opôs.

Meu pirão primeiro. Militares da ativa não se movimentaram para impedir a convocação do ministro Augusto Heleno por seus comentários sobre um novo AI-5. Não quiseram contaminar a tramitação da reforma do Estatuto Militar com as oscilações do governo.

Fica a dica. O presidente do Supremo, Dias Toffoli, afirmou a senadores que o visitaram que a prisão em segunda instância não é uma cláusula pétrea da Constituição. Com isso, os parlamentares entenderam: o ministro não se oporá caso o Congresso regulamente essa polêmica questão.

Tá bom… No terceiro trimestre, os aeroportos brasileiros receberam a maior nota da série histórica da Pesquisa de Satisfação do Passageiro e Desempenho Aeroportuário, à qual o Coluna teve acesso. Para 91% dos 25 mil passageiros ouvidos, os terminais são bons ou muito bons.

…mas pode melhorar. O quesito com pior avaliação, no entanto, foi o de “facilidades aos passageiros”, que leva em consideração estacionamento, lanchonetes, tomadas, Wi-Fi, etc. Em escala de 1 a 5, ganhou só 3,56.

CLICK. O Índice de Popularidade Digital da consultoria Quaest! monitora o desempenho de personalidades políticas, marcas e autoridades nas redes sociais.


Saldo. A deputada Joice Hasselmann permanece em viés de baixa no ranking da popularidade em redes sociais após ter decidido enfrentar a família do presidente Jair Bolsonaro. Na outra ponta da gangorra, Carla Zambelli, defensora do clã, está em viés de alta.

Saldo 2. Ainda dentro da bancada paulista do PSL, Eduardo Bolsonaro está estacionado, porém, num lugar confortável, o topo, segundo a Quaest! Consultoria e Pesquisa. Com o tiroteio na direita, quem cresceu foi Tiririca (PL-SP).

Aritmética. O governador Eduardo Leite (PSDB) quebra a cabeça para resolver a equação em que se transformou o 13.º do funcionalismo público gaúcho. Ainda falta quitar a última parcela desse benefício relativa a 2018. Nos últimos três anos, o salário extra de fim de ano foi parcelado.

SINAIS PARTICULARES
Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul

 

 

BOMBOU NAS REDES!

João Amoêdo. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

João Amoêdo, Presidente do Partido Novo: “Muitos estão criticando Paulo Guedes, dizendo que ele deveria ter apresentado o plano de forma gradual. Discordo. O brasileiro tem pressa, especialmente os 12 milhões de desempregados e suas famílias.”


COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA.
COLABOROU LARISSA GASPAR.

Acompanhe nas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: