Esquerda quer ‘retrofit’ do PT para enfrentar Bolsonaro

Esquerda quer ‘retrofit’ do PT para enfrentar Bolsonaro

Coluna do Estadão

29 de janeiro de 2020 | 05h00

Flávio Dino. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

As conversas de Flávio Dino (PC do B) com os petistas em torno da eleição presidencial de 2022 só vão prosperar para valer se uma das ideias do governador do Maranhão for analisada com carinho por Lula: a da “reciclagem da marca”, dizem envolvidos na negociação. Em bom português, Dino está cada vez mais convencido de que a sigla PT tornou-se um estorvo no caminho da esquerda brasileira rumo ao centro e precisa ser substituída por um nome novo. É desse “retrofit” do petismo que nasceria a tal “frente” popular tão sonhada pelo governador.

Ão, Ão, Ão. Em privado, caciques da esquerda não petista e até do Centrão acham que a lista de “ãos” do PT é uma bigorna para qualquer candidato do grupo, que passará a campanha sendo cobrado pelo “mensalão”, pelo “petrolão” e pela “prisão” de Lula e de tantos outros petistas.

Wikipedia. Retrofit em engenharia designa o processo de modernização de algum equipamento ultrapassado ou fora de norma.

Salto alto. Por enquanto, Lula e o PT não querem nem ouvir falar na possibilidade. Ainda acreditam piamente que o partido é antítese natural a Jair Bolsonaro e querem apostar na polarização com o presidente.

Na real. Há, porém, uma esperança no entorno de Dino e em outros partidos. A de que Lula, em liberdade, incremente as conversas com políticos experientes e de fora de seu raio de poder. Se fizer isso, o ex-presidente com certeza ouvirá deles que o PT tem de ser escondido na eleição.

CLICK. Tomás, filho do prefeito Bruno Covas, agitou os bastidores do Roda Viva (TV Cultura) e ganhou caricatura feita por Paulo Caruso, que ele mostrou para a deputada Bruna Furlan (PSDB).

Foto: Benjamim Sepulvida

Meio. Rodrigo Maia vai para Bruxelas, na Bélgica, em março para conversar com integrantes do Parlamento Europeu e de instituições da União Europeia que querem ouvir um líder brasileiro que não seja nem tão de esquerda nem tão de direita.

Prepara. Além da questão política, Maia terá de estar afiado para falar também sobre meio ambiente, tema que tem dominado as conversas internacionais, como mostrou Davos.

Frugais. Marcos Pereira (Republicanos-SP), cotado para a sucessão de Maia, almoçou com o presidente da Câmara anteontem. Só comeram salada e carne.

SINAIS PARTICULARES.
Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Marcos Pereira (Republicanos-SP), presidente e vice-presidente da Câmara

Rodrigo Maia e Marcos Pereira

Ilustração: Kleber Sales

Como!? Quando chegou ao presidente a notícia de que o ex-número dois de Onyx Lorenzoni na Casa Civil, Vicente Santini, tinha ido de avião da FAB para a Índia, Bolsonaro buscou, tarde da noite, seus auxiliares mais próximos.

Ops… Onyx alegou que Santini estava amparado por uma portaria. Bastou para Jair Bolsonaro ficar descontrolado e decidir pela demissão imediata.

Rocket. Hamilton Mourão segue hoje para Formosa (GO), para a inauguração do Comando de Artilharia do Exército, mais uma etapa do sistema Astros, projeto com mísseis e foguetes produzidos no Brasil, único na América Latina.

Memória. Morto aos 84 anos no domingo por falência múltipla de órgãos, o empresário Ronald Levinsohn era um dos maiores anfitriões do Rio e deixará saudades no centro do poder. Por sua casa no Alto da Gávea costumavam passar Boni (ex-executivo da TV Globo), Nélida Piñon (escritora), Dias Toffoli (STF), generais e economistas.

PRONTO, FALEI!

Deputado Silvio Costa Filho. FOTO: PABLO VALADARES/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Sílvio Costa Filho, deputado federal (Republicanos- PE): “Não se pode mexer em direito adquirido. É melhor pensar no futuro a fazer uma rearrumação que não funcione lá na frente”, sobre reforma administrativa.

COM MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM ANDREZA MATAIS E ELIANE CANTANHÊDE.

Coluna do Estadão
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.