Esquerda e direita ainda divididas nas ruas contra Bolsonaro

Esquerda e direita ainda divididas nas ruas contra Bolsonaro

Alberto Bombig e Matheus Lara

05 de agosto de 2021 | 05h00

Foto: Divulgação/MBL

Com Jair Bolsonaro a partir de agora formalmente investigado no inquérito das fake news no STF, a turma da “meteorologia do impeachment” já vislumbra a famosa “tempestade perfeita” capaz de tirar o presidente do Planalto. Porém, ao menos uma das condições necessárias, segundo os estudiosos do assunto, para o tempo fechar de vez sobre o Planalto, ainda é incerta e esbarra justamente na polarização política: apesar dos esforços de militantes da centro-direita e da esquerda, líderes de ambos os lados permanecem reticentes em celebrar uma união nas ruas.

Veja bem. Divididos, os protestos fornecem discurso ao presidente de que estão circunscritos e não representam a sociedade.

Cada um… Na opinião de quem tem feito o meio de campo para tentar engordar os atos contra Bolsonaro, o silêncio de grandes lideranças dos vários grupos tem sido um problema.

…no seu… Integrantes de Acredito, Livres, UNE e MBL afirmam que até tentaram se unir aos adversários contra Bolsonaro nas ruas, mas parece cada vez mais inevitável que cada lado marche apenas com os “seus”.

…quadrado. “Quem influencia a base são as lideranças políticas, e elas não estão incentivando a adesão a protestos que não sejam os seus próprios. Isso dificulta a união contra Bolsonaro”, diz Marco Martins, líder do Acredito-SP.

Dentro. Vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM) planeja aderir ao protesto da centro-direita.

Enquanto isso… Em “campanha” pelo ato de 12 de setembro, o MBL promete um “arrastão” de lambe-lambes e adesivos contra Bolsonaro em São Paulo neste sábado. O grupo já espalhou mais de 10 mil cartazes na capital.

Calma. Lulistas e bolsonaristas se apressaram em decretar o “fim da linha” para alternativas à disputa entre o presidente e o petista após a divulgação da pesquisa Genial/Quaest. Com Lula e Bolsonaro na frente, querem enterrar de vez a terceira via.

Calma 2. Os ataques à construção de uma terceira via são lidos como confissão de medo: “Na política, não se fala do que não é relevante. Ninguém chuta cachorro morto”, diz o ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung, uma das principais vozes de centro.

Negócios. A Société Générale, grande instituição financeira da Europa, acaba de fechar negócio para ser acionista da concessionária Linha Universidade, responsável pela linha 6 do Metrô na capital paulista, a maior obra de infraestrutura da América Latina e a primeira PPP integral do País.

SINAIS PARTICULARES

João Doria, governador de São Paulo

Ilustração: Kleber Sales/Estadão

É… João Doria homenageará com uma comenda os atletas paulistas ou radicados no Estado que brilham nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio. As cerimônias ocorrerão no Palácio dos Bandeirantes em datas a serem definidas.

…ouro. Além da capital, Guarulhos, Osasco, Guarujá, Marília, Santos e São Joaquim da Barra já tiveram representantes em pódios.

PRONTO, FALEI!

Foto: José Cruz/Ag. Brasil

“O reverendo, em nome de Deus; o coronel, em nome da Pátria. Ambos usam indevidamente Deus e Pátria para esconder o real: foi em nome próprio.”

Simone Tebet, senadora (MDB-MS), sobre a CPI da Covid

CLICK

Com salários mensais na faixa de R$ 27 mil, procuradores da Fazenda Nacional tentaram “tirar uma casquinha” de Simone Biles nas redes. Vergonha.

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonadoprotestoimpeachment

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.