Emissários de Cunha tentam emplacar nomes no governo Temer

.

Luiza Pollo

21 de maio de 2016 | 19h35

Eduardo Cunha | Andressa Anholete/AFP

Eduardo Cunha | Andressa Anholete/AFP

O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), homem que diz não ter um alfinete no governo Temer, já causou pelo menos dois constrangimentos aos novos ministros. Com André Moura, líder do governo na Câmara, e Sandro Mabel, ex-deputado, como emissários, tentou emplacar nomes em cargos estratégicos no Ministério da Educação e da Agricultura. Levou não dos dois ministros, que reclamaram com o presidente interino Michel Temer contra as investidas.

Atualização às 20h28: Eduardo Cunha procurou a Coluna para “desmentir com veemência” as informações apuradas pela reportagem. “Não tenho emissário, nunca pedi nada e, se tivesse que pedir, não o faria por intermediários”, afirmou. “Não tenho e nem pretendo ter um alfinete no governo”, disse o presidente afastado da Câmara.

Mais conteúdo sobre:

Influência