Em proposta de leniência, Aceco indica propina a gestores do governo Alckmin

­

Coluna do Estadão

18 de outubro de 2016 | 06h15

O acordo de leniência proposto pela Aceco ao Ministério da Transparência envolve suspeita de propinas milionárias a gestores do governo de São Paulo. A firma, especializada em tecnologia da informação, fornece salas-cofre para órgãos públicos, inclusive federais.

Outro lado. As denúncias referem-se ao período em que a companhia era controlada por Jorge Nitzan. O comando da empresa foi vendido em 2014 e os novos controladores propuseram a leniência. Neste mês, contudo, Nitzan retomou a firma. Procurada, a Aceco disse desconhecer os fatos.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Irregularidades