Em pré-campanha, Mourão intensifica agendas oficiais no Rio Grande do Sul

Em pré-campanha, Mourão intensifica agendas oficiais no Rio Grande do Sul

Mariana Carneiro, Camila Turtelli, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

01 de maio de 2022 | 05h01

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (Republicanos), intensificou a agenda no Rio Grande do Sul desde fevereiro, quando anunciou que concorrerá a uma vaga no Senado Federal pelo Estado. De lá para cá, ele marcou presença em 35 compromissos oficiais como vice-presidente. Nestas viagens, esteve em 11 cidades gaúchas, visitando obras de hospitais, estradas, aeroportos e em eventos com empresários. Boa parte das agendas ocorreu às sextas-feiras, como no dia 18 de fevereiro, quando ele foi à abertura da Festa da Uva. Como comparação, no mesmo período do ano passado, Mourão participou apenas de dois eventos no Estado, em Porto Alegre e em Pelotas.

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão. Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão.

ESQUENTA. Antes mesmo de oficializar o intento de se lançar candidato, entre novembro e janeiro, Mourão já estava mais presente no Estado. Ele foi a oito eventos, boa parte com divulgação nos canais oficiais da vice-presidência.

SEM DESCANSO. Mesmo em Brasília, as agendas com lideranças políticas gaúchas se tornaram numerosas. Nos últimos três meses, Mourão fez 15 reuniões com 32 autoridades do Estados em seu gabinete, onde também deu entrevistas a veículos de imprensa locais. Procurada, a Vice-presidência não se manifestou.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Hamilton Mourão, vice-presidente da República

CALCULADORA.O placar de Gilberto Kassab, do PSD, dá até agora dois estados a favor do apoio a Lula no 1º turno (Amazonas e Bahia) contra sete pela liberação para que cada diretório escolha seu preferido (RJ, PR, RS, AP, PA, AL e MT), caso não apareça um nome próprio. O Ceará optou por Ciro Gomes.

CARDEAL. Valdemar Costa Neto, o todo-poderoso dono do PL, partido de Jair Bolsonaro, se encontrará com empresários em São Paulo no próximo dia 12, em jantar do Grupo Esfera, de João Camargo. O cacique, que ficou distante dos holofotes após ser condenado e preso no Mensalão, é um dos dirigentes partidários que mais despertam interesse do setor privado.

PRONTO, FALEI! Elvis Cezar, pré-candidato do PDT ao governo de São Paulo

“O governo precisa dar informação profissional não para inglês ver, mas para inglês contratar. Uma função elementar que o governo de SP não conseguiu entregar”

CLICK. Marianne Peretti, artista plástica

Autora dos vitrais do Congresso, da Catedral de Brasília e do Panteão da Pátria, ela integrou a equipe de Oscar Niemeyer. Morreu na última segunda, aos 94 anos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.