Em carta a embaixador chinês no Brasil, Pazuello agradece por insumos e diz que vacinação é ‘fundamental’

Em carta a embaixador chinês no Brasil, Pazuello agradece por insumos e diz que vacinação é ‘fundamental’

Marianna Holanda

26 de janeiro de 2021 | 11h32

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse ao embaixador chinês, Yang Wanming, em carta enviada na manhã desta terça-feira, 26, que a vacinação é “fundamental” na resposta à pandemia da covid-19 e que ela “começou rapidamente” em todo o País.

A carta foi em agradecimento ao diplomata pela liberação dos insumos para produção de novas doses da Sinovac, anunciada na segunda-feira pelo diplomata.

“A vacinação é parte fundamental da resposta brasileira à pandemia de COVID-19, e a China é parceira central do Brasil nessa estratégia. Assim que os imunizantes da AstraZeneca e da Sinovac foram aprovados para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a vacinação começou rapidamente em todas as unidades da federação”, diz o texto.

Pazuello afirmou ainda que o País está disposto a trabalhar com a China para fortalecer ainda mais a cooperação na área da saúde, e agradeceu por “tudo que a China já fez pelo Brasil”, lembrando da doação de equipamentos e insumos desde o ínicio da pandemia.

Depois de semanas de negociações, Yanming anunciou ontem a liberação dos insumos para a Sinovac, produzida pelo Instituto Butantan, e disse que está em estágio acelerado a dos insumos da Astrazeneca/Fiocruz, grande aposta do governo federal.

O governo Bolsonaro tem sido criticado na gestão do combate à pandemia. Ao mesmo tempo em que se rechaçou o isolamento social, o País demorou para começar a vacinação. Em 17 de janeiro, a Anvisa autorizou o registro emergencial do imunizante Sinovac/Butantan e a campanha começou no mesmo dia em São Paulo e no dia seguinte nos demais Estados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.