Em áudio ao MBL, Moro pede desculpas por supostamente tê-los chamado de “tontos”

Em áudio ao MBL, Moro pede desculpas por supostamente tê-los chamado de “tontos”

Marianna Holanda

23 de junho de 2019 | 17h15

Ministro Sérgio Moro. FOTO: ERALDO PERES/AP

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, mandou áudio a membros do MBL neste domingo, 23, dizendo que não sabe se os termos são seus, mas pedindo desculpas por tê-los chamado de “tontos” em mensagens de 2016, conforme mostrou reportagem do site The Intercept e da Folha de S. Paulo.

“Consta ali um termo que não sei se usei mesmo, acredito que não, pode ter sido adulterado, mas queria assim pedir minhas escusas, se eu eventualmente utilizei (o termo)”, disse o ministro em áudio obtido pela Coluna.

“Porque sempre respeitei o Movimento Brasil Livre, sempre agradeci o apoio que esse movimento deu, não só à Lava Jato, mas nos últimos anos, 5 anos, de avanço contra corrupção e construção de um País melhor e mais íntegro”, completou.

No episódio, o então juiz federal disse que “alguns tontos daquele MBL” fariam protesto na frente da casa de Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, e reconhecendo que isso “não ajuda evidentemente”, pediu que Deltan Dallagnol intercedesse.

Moro repete ainda, mais de uma vez, que não sabe se as mensagens são suas ou se foram alteradas (apesar de pedir desculpas por elas). Como justificativa ao termo, diz que na época vinha sofrendo muita pressão, por causa da divulgação do áudio de Lula e Dilma, do qual ele não se arrepende, mas reconhece “período complicado”.

O protesto na frente do condomínio de Teori, que acabou acontecendo mesmo, poderia, segundo Moro explicou no áudio deste domingo, “gerar uma animosidade do Supremo contra a 13ª Vara, o que não era desejado”. 

 

Tendências: