EBC registra farra de atestados médicos de funcionários

EBC registra farra de atestados médicos de funcionários

Coluna do Estadão

18 Julho 2018 | 05h30

Empresa Brasil de Comunicação. Foto: Divulgação

Nos últimos seis meses, os funcionários da EBC apresentaram 2.845 atestados médicos e pedidos de afastamento, o que dá quase 16 por dia. O número é maior do que o quadro da empresa de comunicação pública do governo federal, que tem 2.307 empregados que trabalham na TV, rádio e agência online de notícias. Um acordo coletivo permite aos funcionários até mesmo faltarem cinco vezes ao trabalho para acompanhar parentes em consultas ao médico ou ao dentista. Outra vantagem: empregado só perde o salário integral após 4 meses de afastamento.

Grande família. O acordo coletivo dos funcionários da EBC garante que eles apresentem atestado para acompanhar consultas médicas do cônjuge, companheiro, pai, mãe, filho, enteado, irmão ou dependente legal.

Com a palavra. A EBC informa que, “em virtude do alto número de afastamentos, está contratando empresa especializada em perícia e homologação de atestados médicos”. E diz que, em agosto de 2017, foi adotado o ponto eletrônico.

Herança. Os empregados da EBC são concursados, mas contratados pelo regime de CLT. O orçamento neste ano é de R$ 726 milhões. A empresa foi criada em 2008 por Lula.

LEIA MAIS: Deputado pede explicações à EBC sobre farra dos atestados médicos

Fiel. O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, telefonou para a presidente do PCdoB, Luciana Santos, logo após o encontro que teve com o Centrão, no sábado. Queria saber sua opinião sobre até que ponto deveria ceder em nome de uma aliança com o grupo.

Disfarce. A deferência tem uma explicação. Ciro quer o apoio do PCdoB para garantir um verniz de esquerda à sua candidatura, caso abrace o Centrão.

Prato feito. No jantar reservado com o governador de São Paulo, Márcio França, domingo, o presidenciável tucano Geraldo Alckmin pediu que o PSB fique neutro. A sigla se divide entre apoiar Ciro e Lula.

Podes crer. O ex-marqueteiro do PT João Santana deixou o cabelo crescer e voltou a compor.  Antes de ajudar a eleger Lula e Dilma, ele já tocou no grupo Bendegó, que chegou a acompanhar Caetano Veloso. Santana foi preso pela Lava Jato e hoje está em prisão domiciliar.

SINAIS PARTICULARES. João Santana, ex-marqueteiro de Lula e Dilma Rousseff; por Kleber Sales

Tudo, menos isso. Aliados de Henrique Meirelles têm alertado que, se ele não for escolhido o candidato do MDB ao Planalto, na convenção marcada para 2 de agosto, estará aberto o caminho para que o partido apoie Geraldo Alckmin. O discurso tem revertido votos a favor de Meirelles.

Virando… Nem só de segurança pública é feita a plataforma de Jair Bolsonaro. Ontem, o deputado participou de reunião com bananicultores no interior de São Paulo.

…o disco. Ele é defensor fervoroso do fim de um acordo assinado em 2014, no qual o Brasil se compromete a importar bananas do Equador para a Ceagesp, em troca da exportação de sapatos.

CLICK. A tentativa de votar o projeto Escola Sem Partido gerou 19 mil menções no Twitter. Segundo a FGV-DAPP, elas se dividiram meio a meio a favor ou contra o texto.

Foto: Coluna do Estadão.

Caixa cheio… O primeiro e talvez mais importante efeito prático da troca do comando do MDB mineiro por aliados do governador Fernando Pimentel (PT) deve ser a aprovação de medidas econômicas cuja tramitação estava interrompida.

…Ainda que tardio. As mais importantes são a venda de 30% da Codemig (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais) e a securitização da dívida do Estado. Juntas, essas medidas reforçam o caixa estadual em pelo menos R$ 3 bilhões até o fim deste ano.

PRONTO, FALEI!

Presidente do PDT, Carlos Lupi

“Depois de ‘O Direito de Nascer’, a mais longa novela brasileira, vem aí a mais longa da política: O Direito de Coligar”, DO PRESIDENTE DO PDT, CARLOS LUPI, sobre a indefinição de alianças no Centrão.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadão