Do epicentro dos escândalos ao coração do governo Bolsonaro

Do epicentro dos escândalos ao coração do governo Bolsonaro

Coluna do Estadão

22 de julho de 2021 | 05h00

Marcos Corrêa/PR

Ao colocar o presidente do Progressistas (PP), Ciro Nogueira (PI), na Casa Civil, Jair Bolsonaro incrusta no coração de seu governo o partido que esteve no epicentro do “mensalão” (via José Janene) e do “petrolão” (via Paulo Roberto Costa). O gesto, incompatível com quem ainda tenta manter discurso anticorrupção, foi lido, para além da proteção natural contra o impeachment, como carta de intenção do presidente da República em relação à sigla, afinal, ele ainda permanece sem partido. Mas, ora vejam só, dirigentes do PP não veem a filiação como “automática”.

Calma aí. Há certa resistência a Bolsonaro em algumas alas do PP, apesar de Nogueira, por óbvio, ser favorável à hipótese.

Os pais. Os articuladores dessa troca, que surpreendeu até o amigo do presidente Luiz Eduardo Ramos, como mostrou Eliane Cantanhêde, foram Fábio Faria e Onyx Lorenzoni.

Será mesmo? Quem topa a filiação de Bolsonaro argumenta que ele pode garantir uma bancada expressiva ao PP na Câmara em 2022.

Teste. Da parte de Bolsonaro, aliados dizem que ainda é preciso ver como o PP “performará” no governo.

Já Elvis? Membros do PL e do Republicanos, outras duas legendas aliadas citadas como possibilidades para Bolsonaro, dão como certa a ida dele para o PP.

Deixa rolar. Mas Flávio Bolsonaro (RJ) tem dito que vai esperar o fim definitivo da novela no Patriota para deixar esse partido. A interlocutores, tem dito: me desfiliar agora pra quê?

Dieta… Logo após sua internação hospitalar, Bolsonaro circulou no quarto andar do Planalto na segunda-feira, 19, pela manhã.

…forçada. Um funcionário comentou que o presidente estava bem disposto e parecia mais magro. Sorridente, mas com seu “senso de humor” um tanto peculiar, Bolsonaro disse: “O que você queria? Foram cinco dias sem comer!”.

SINAIS PARTICULARES.
Jair Bolsonaro, presidente da República

Kleber Sales

Razões… Em voto no TCU, o ministro Jorge Oliveira, um ex-palaciano muito amigo da família de Jair Bolsonaro, decidiu penalizar um município que adotou o “kit covid” no combate à pandemia da covid-19.

…erradas… O motivo da decisão de Oliveira, contudo, não foi a flagrante falta de comprovação científica da panaceia, mas um suposto superfaturamento de quase R$ 400 mil na compra dos remédios pela prefeitura de Caxias (MA).

…e certas. O município consultou apenas quatro empresas para a compra, ignorando o Planejamento e a CGU, que têm estimativas de preços. Por unanimidade, foi aberta tomada de contas especial, processo para apurar responsáveis e definir ressarcimento.

CLICK. Válter Suman (ao centro), prefeito do Guarujá (SP), trocou o PSB pelo PSDB do secretário estadual Marco Vinholi e do vice-governador Rodrigo Garcia (à dir.)

Coluna do Estadão

Diálogo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o relator da reforma do IR na Câmara dos Deputados, Celso Sabino (PSDB-PA), debaterão hoje, 22, os impactos econômicos do projeto que pretende mudar a cobrança de impostos.

Diálogo 2. O debate, denominado Impactos Econômicos da Reforma Tributária, promovida pela Esfera, Febraban e pela Confederação Nacional da Indústria, será transmitido pelo canal de Youtube da CNI e contará com nomes de peso do PIB.

PRONTO, FALEI!

Foto: Reprodução Facebook/José Luiz Penna

José Luiz Penna, presidente do PV: “A queda de 93% nas punições por crimes ambientais escancara o caráter ‘ecocida’ do governo Bolsonaro. É urgente investigar o desmonte do Ibama.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU ELIANE CANTANHÊDE.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.