Disputa para o governo do DF vira cabo de guerra na federação PSDB e Cidadania

Disputa para o governo do DF vira cabo de guerra na federação PSDB e Cidadania

Gustavo Côrtes

11 de abril de 2022 | 11h39

O cabo de guerra entre PSDB e Cidadania pela definição de um nome para a disputa do governo do Distrito Federal se acirrou, após a Coluna revelar, na última sexta-feira (8), que as siglas divergem sobre a pré-candidatura ao cargo. Unidas em uma federação, as legendas são obrigadas a lançar oficialmente um único candidato na disputa. Enquanto tucanos insistem em lançar o senador Izalci Lucas para o governo do DF, o Cidadania quer apoiar Reguffe (União), porque acredita que ele tem mais potencial para vencer a concorrência do atual governador Ibaneis Rocha (MDB), apoiado por Jair Bolsonaro. 

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF). Divulgação

Os presidentes do PSDB, Bruno Araújo, e do Cidadania, Roberto Freire, usaram as redes sociais neste fim de semana para falar sobre a situação da federação no Distrito Federal e deixaram clara as divergências entre as legendas. 

No sábado, 9, Araújo se manifestou em defesa de Izalci no Twitter. “O comando político da nossa Federação no DF é do Senador Izalci Lucas, que como pré-candidato a governador saberá liderar e construir essa missão a ele confiada”, publicou. Na visão de lideranças do Cidadania, o parlamentar não conseguirá viabilizar uma candidatura competitiva no DF.

 

Na sequência, Freire também falou sobre o assunto. “Caro Izalci, é bom lembrar que a Federação PSDB Cidadania, tem um estatuto e em nenhum artigo diz que ela terá ‘dono’ em qualquer dos estados brasileiro e claro também no DF”, escreveu.

 

À Coluna, Freire disse que prevalecerão as normas do estatuto da federação, segundo o qual o partido com maior número de votos à Câmara no Estado tem vantagem na escolha do nome ao governo. Os tucanos não elegeram nenhum deputado pelo DF em 2018, já o Cidadania elegeu um, a deputada Paula Belmonte. Desta forma, pelo entendimento de Freire, o seu partido tem o direito de escolha.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.