Dia D para a relação do presidente com líderes

Dia D para a relação do presidente com líderes

Coluna do Estadão

26 de fevereiro de 2019 | 05h00

Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia. FOTO: MARCOS CORREA/PR

Deputados experimentados acham que hoje será uma espécie de Dia D para a articulação política do governo com o Congresso. Esperam que na reunião do presidente com os líderes apareçam ao menos diretrizes de como será o relacionamento entre Executivo e Legislativo sob Jair Bolsonaro. Depende dessa sinalização a definição da relatoria da reforma da Previdência, por exemplo. Rodrigo Maia tem tido dificuldade de convencer seus preferidos a aceitar o cargo sem dar garantia de respaldo do Planalto nas negociações com os parlamentares.

Me ajuda a te ajudar. Caso Jair Bolsonaro não dê indicação de que melhorará a articulação, os líderes do Centrão planejam não assumir o ônus da relatoria do projeto e entregá-la a um parlamentar do PSL.

Prévia. Ontem o presidente ouviu alerta de seus vice-líderes na Câmara: precisa azeitar, e logo, sua relação com os parlamentares.

Líderes. Participaram do encontro os deputados Capitão Augusto (PR-SP), Darcísio Perondi (MDB-RS), Coronel Armando (PSL-SC) e José Medeiros (Podemos-MT), além do líder, Major Vitor Hugo (PSL-GO).

Fiador. Houve uma diferença entre a reunião de Bolsonaro com vice-líderes de ontem e a da semana passada (cancelada após um iminente boicote): Rodrigo Maia se envolveu no convite e disparou mensagens chamando para o encontro.

Escolinha 1. Deputados do PSL formaram um grupo de estudos sobre a Previdência, sob tutela da equipe de Rogério Marinho, para afiar o discurso em defesa da proposta do governo.

Escolinha 2. O secretário especial adjunto de Previdência, Bruno Bianco, será o professor. A ideia é que cada um se especialize em um tema espinhoso.

Presente. Bia Kicis, Luiz Philippe de Orleans e Bragança, Guiga Peixoto e Caroline de Toni, todos do PSL, convidaram outros 7 deputados da bancada e do Novo, como Vinicius Poit (SP).

Bombou. Poit, aliás, fez um vídeo com as fake news que rolam nas redes sobre a reforma. Bolsonaro compartilhou e Rodrigo Maia elogiou o colega deputado.

Venezuela. O MBL pediu no Tribunal Penal Internacional a prisão preventiva de Nicolás Maduro por crimes contra a humanidade. O documento é assinado por Kim Kataguiri (DEM) e os advogados Rubens Nunes e Luiz Felipe Panelli.

SINAIS PARTICULARES
OS NOVOS LÍDERES DO CONGRESSO
Baleia Rossi, líder do MDB na Câmara (SP)

Guerrilha… O grupo de Cauê Macris (PSDB) diz ter identificado quem divulgou os números de telefone dos deputados que apoiam a reeleição do tucano na presidência da Assembleia-SP.

…virtual. O responsável seria o deputado eleito Coronel Nishikawa (PSL). O grupo de Cauê alega ter sofrido ataques virtuais da militância do PSL, que tem Janaína como candidata.

Eu não. Nishikawa negou à Coluna ter divulgado os números. Os aliados de Cauê prometem representar contra ele em março.

CLICK. A Assembleia de SP tentou escamotear ontem a imoralidade de ter o plenário vazio sem que deputados sejam descontados: deixou de informar as presenças.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Do lado de lá. Enquanto a PF cumpria mandado de busca e apreensão em sua casa em Teresina, o senador Ciro Nogueira liderava uma missão parlamentar em Nova York. Ficou hospedado no badalado Soho.

Stop. Decidido a trocar os superintendentes estaduais do Ibama, Ricardo Salles (Meio Ambiente) aguarda as normas do Planalto para preencher segundo e terceiro escalões. Enquanto isso, tudo no limbo.

PRONTO, FALEI!

Toni Reis. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Toni Reis, diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI+: “O objetivo não é prender padres e pastores. É sensibilizar a sociedade de que há um problema e ele tem que ser resolvido na lei”, sobre criminalizar a homofobia.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM ELIANE CANTANHÊDE E FABIO LEITE

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao