Desunião do PSDB sempre esteve precificada pelo grupo de João Doria

Desunião do PSDB sempre esteve precificada pelo grupo de João Doria

Alberto Bombig e Camila Turtelli

29 de novembro de 2021 | 02h19

João Doria (de camisa preta) ao lado de Eduardo Leite após resultado das prévias do PSDB.

Conseguir a candidatura é uma coisa, levar o partido junto até as urnas, é outra, explica um tucano que vem de longe, desde os tempos em que José Serra e Mario Covas (1930-2001) se desentenderam (e depois se acertaram) na campanha presidencial do PSDB em 1994. Portanto, para além dos discursos otimistas e conciliadores, nos bastidores do partido sabe-se que João Doria muito provavelmente repetirá a sina de Geraldo Alckmin em 2006 e 2018, de José Serra em 2002 e 2010 e de Aécio Neves no primeiro turno de 2014: entrará na campanha presidencial por sua conta e risco. Quem vence depois de fissuras como as evidenciadas nas prévias, não encarna a unidade, alerta o mesmo tucano.

TUDO… Não há novidade na desunião, desde muito precificada pelo grupo de Doria, nem na propalada crise de identidade do PSDB. Culpar as prévias por rachas é arrumar desculpa para tirar o corpo fora.

NA MESMA. Ou seja, com ou sem prévias, Doria seria o presidenciável do mesmo partido que no segundo turno em 2006 e 2010 cruzou os braços para seus candidatos nos dois maiores colégios eleitorais do País, São Paulo e Minas. Doria sabe disso desde sempre e está disposto a correr o risco.

FORCINHA. Os presidentes das centrais sindicais (Força Sindical, UGT, CTB e Nova Central) se reúnem com Geraldo Alckmin nesta segunda-feira, 29, em São Paulo. A intenção é apoiar a criação da chapa Lula-Alckmin e mostrar a união do grupo. Miguel Torres, presidente da Força Sindical, foi um dos articuladores da reunião.

AMADO MESTRE. Michel Temer será o convidado da Esfera Brasil nesta segunda-feira, 29, em São Paulo. Já estão confirmados empresários de peso. Um dos melhores e mais bem informados analistas da conjuntura política, o ex-presidente, claro, falará sobre 2022.

CLICK. João Roma, ministro da Cidadania

Apontado como pré-candidato ao governo da Bahia, ministro participou da entrega de casas no município de Coronel João Sá (BA).

DRIBLE EM… Os três inscritos na licitação para operar o microcrédito do Banco do Nordeste (BNB) foram inabilitados no último dia 25. O processo licitatório havia sido determinado por Jair Bolsonaro para encerrar o domínio exercido por 18 anos, sem licitação, pelo Instituto Nordeste Cidadania (Inec), ligado ao PT.

…BOLSONARO. Aprovada em 12 de novembro, uma “Proposta de Ação Administrativa” (2021/1010-03) prevê, em caso de fracasso do certame, a contração emergencial de uma instituição que tenha integração com o sistema tecnológico do BNB, pessoal especializado e autorização para gerir microcrédito. Adivinhe quem se encaixa? Claro, o Inec.

FÃ CLUBE. A tal proposta foi elaborada por Alison Silva e Manuel Barbosa, que tem foto da presidente Dilma Rousseff como seu avatar no Instagram.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Salles), Simone Tebet, senadora (MDB-MS)

MISSÃO. O MDB está confiante no impacto positivo da pré-candidatura de Simone Tebet a presidente. Única mulher entre os nomes posicionados no grid de largada da corrida eleitoral até aqui, a senadora é vista como o principal ativo para a renovação do partido.

LETRAS. O ministro Luís Roberto Barroso promove encontro com o escritor moçambicano Mia Couto nesta segunda-feira, 29, a partir das 14h. A live será transmitida no Instagram do presidente do TSE.

PRONTO, FALEI! Sérgio Moro, ex-juiz e ex-ministro

Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

“A confirmação de nova cepa do coronavírus disparou o alerta. Para evitar novos contágios e a paralisação da economia, o Brasil deveria exigir a vacinação para o ingresso de estrangeiros no país, além do PCR. Outros países exigem de brasileiros a vacinação para a entrada no País.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.