Desgastado, PSDB quer rejuvenescer discurso

Desgastado, PSDB quer rejuvenescer discurso

Luiza Pollo

16 de junho de 2017 | 05h30

Sinais Particulares: Ricardo Tripoli por Kleber Sales

 

A ala dos ‘cabeças pretas’ do PSDB pode não ter vencido a batalha pelo desembarque do governo Michel Temer, mas deve ganhar a guerra pela renovação do discurso tucano. O congresso do partido será antecipado e vai discutir o rejuvenescimento da legenda. “Quando foi criado, o PSDB era o novo. Não somos mais. Viramos um tatu-bola. Não podemos mais ficar fechados”, diz o líder da Câmara, Ricardo Trípoli (SP). Na Câmara, os jovens tucanos já presidem as três comissões do partido e têm menos de 35 anos. O primeiro vice-líder tem 28 anos.

Cabeças pretas. A deputada Shéridan (RR), de 33 anos, preside a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher. Caio Nárcio (MG), de 30, preside a Educação. Bruna Furlan (SP), 34, comanda Relações Exteriores. E Pedro Cunha Lima (PB), 28, é o primeiro vice-líder.

Despacito. Após a conclusão do inquérito pela PF que investiga o presidente Michel Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tem prazo de cinco dias para apresentar ou não denúncia ao STF. Como o prazo da PF se encerra na segunda-feira, Janot pode se manifestar até segunda, 26.

A bola é deles. Interlocutores de Janot também afirmam que o inquérito da PF vai definir se ele irá apresentar uma ou mais denúncias contra Temer.

Passa na frente. Antes de se debruçar sobre uma eventual denúncia contra Temer, o STF vai decidir sobre a prisão de Aécio Neves. A Primeira Turma, a mesma que manteve Andrea Neves encarcerada, vai deliberar a respeito na terça-feira, 20.

Tô ocupado. Rodrigo Janot deve delegar a um subprocurador a tarefa de defender a prisão do senador afastado na sessão do STF.

Melhor não. O governador Geraldo Alckmin faria nesse feriado viagem de carro entre Miritituba (PA) e Sinop (MT) para conhecer o traçado da futura ferrovia Ferrogrão. Mas foi dissuadido pelo governador do Pará, Simão Jatene.

É confusão. Os dois se encontraram no jantar oferecido pelo presidente Michel Temer na última terça-feira, em Brasília. O governador do Pará está preocupado com o movimento separatista que quer criar o Estado de Tapajós.

Custa caro. No foco de uma crise que abalou o Executivo e o Judiciário, a Abin tem orçamento de mais de R$ 600 milhões para este ano. Segundo a ‘Contas Abertas’, para ações de inteligência a previsão de gastos é de R$ 50 milhões.

De molho. O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) se recupera de um acidente de carro que sofreu em Salvador, no Dia dos Namorados. Ao seu estilo, faz graça. “Fui salvo pelos dois airbags: o do carro e o meu”. Ele dirigia quando o carro bateu num poste. Saldo: costela fraturada.

CLICK. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, acompanhou em Paris voo inaugural de um protótipo do caça Gripen NE, que será padrão da aviação de caça do Brasil.

Ministro Raul Jungmann (Defesa)/Divulgação

Vem aí. O governo estuda reverter a alta do IPI para atacadistas do setor de cosméticos, higiene e limpeza. A medida foi adotada na época do então ministro da Fazenda Joaquim Levy.

Aceita que dói menos. Empresários têm conseguido anular a medida na Justiça. Ciente disso, o atual governo está propenso a jogar a toalha.

Depois vejo. Sem consenso, o governo adiou a decisão sobre o novo ministro da Cultura para depois da viagem de Temer a Rússia. O giro começa na segunda.

DEU NO WHATSAPP!

“Trabalho”, status do WhatsApp do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, preso após ser flagrado recebendo R$ 500 mil de propina do empresário Joesley Batista.