Deputados usam ‘código’ para carimbar emendas do orçamento secreto

Deputados usam ‘código’ para carimbar emendas do orçamento secreto

Camila Turtelli e Matheus Lara

20 de fevereiro de 2022 | 05h00

Na novela do orçamento secreto, esquema revelado pelo Estadão no ano passado, deputados usaram um truque para burlar a falta de transparência da ferramenta e conseguir carimbar de forma “codificada” o seu apadrinhamento nas verbas enviadas aos seus redutos eleitorais. O deputado federal Leur Lomanto Junior (DEM-BA), por exemplo, colocou sempre R$ 25 ou R$ 0,25 no fim de cada indicação, ao enviar R$ 4,3 milhões para municípios da Bahia no ano passado – 25 é o número do DEM nas urnas. Da mesma forma, o líder do Podemos na Câmara, o deputado Igor Timo (MG), indicou dez repasses no valor de R$ 275 mil para dez municípios mineiros com o código “19”, o número de sua sigla.

Ministério entrega máquinas pesadas no Amapá, em 2020; itens são destinados a redutos de parlamentares Foto: Divulgação / MDR

PARA VER. “Como alguns órgãos recebem emendas destinadas por diversos parlamentares, às vezes com valor idêntico, minha assessoria buscou uma forma de facilitar a visualização na hora da publicação”, disse Leur à Coluna.

TEM, MAS NÃO TEM. O deputado federal baiano diz que todas as emendas de relator são “devidamente publicadas na Comissão Mista de Orçamento” da Casa. No entanto, não há informações detalhadas e públicas sobre emendas de relator em 2020 e 2021.

JUSTO. Timo disse que as emendas de relator não saem com a autoria, “mesmo havendo um trabalho árduo, justo e sério de articulação política” para isso. “Por isso, para que houvesse a identificação dos recursos, optamos por colocar desta forma, para constatar que tais recursos são de minha autoria”, disse Timo à Coluna.

EXPLICA. O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) fez um pedido oficial de esclarecimentos ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, sobre a tentativa de criação de 200 novos cargos em uma estatal. O caso foi revelado pela Coluna no mês passado.

 

O deputado federal Kim Kataguiri. Foto: Dida Sampaio/Estadão

PODE ISSO? “É preciso que saibamos os impactos fiscais de tal medida, em especial neste momento em que, por conta da péssima administração dos últimos anos, a economia está muito debilitada”, questiona o parlamentar no pedido.

ENERGIA. A Coluna mostrou que o ministério pediu à Economia autorização para criar cerca de 200 cargos na Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBpar), criada para permitir a privatização da Eletrobras e absorver as funções de Itaipu e da Eletronuclear. Apenas 27 cargos foram autorizados.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Carlos Bolsonaro

ÁLBUM… Qual a função de um vereador carioca na comitiva presidencial à Rússia?” foi pergunta constante semana passada. Bolsonaro explicou que Carlos é “melhor” que seus ajudantes com as redes.

…DE VIAGEM. Da posse do pai na Presidência às agendas internacionais, não faltam episódios para sinalizar que Carlos, ao invés de priorizar presencialmente suas atribuições no Rio, prefere atuar como chaveirinho oficial da República.

PRONTO, FALEI! Talíria Petrone, deputada federal (PSOL-RJ)

DIDA SAMPAIO/ESTADAO

“Sérgio Camargo nunca honrou o cargo que ocupa. A presidência da Fundação Cultural Palmares é do povo negro e pra ele deve ser devolvida”

CLICK. Felipe d’Avila, Presidenciável do Novo

Cientista político (de azul) visitou, com o pré-candidato de seu partido ao governo do Rio, o deputado Paulo Ganime, projetos sociais da Rocinha.

COLABOROU BRENO PIRES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.