DEM avalia que queda de Temer agora só ajuda PT

DEM avalia que queda de Temer agora só ajuda PT

Luiza Pollo

13 Julho 2017 | 05h30

Foto DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

 

Mesmo com a possibilidade de assumir o Planalto com Rodrigo Maia, o DEM tem evitado a discussão sobre ficar ou não na base do governo. São dois motivos. O primeiro é que dirigentes do partido gostam pessoalmente de Temer. O segundo é mais pragmático. A cúpula considera que ainda não existe clima político para a queda. Está segura de que, se Maia quiser, ele consegue destituir Temer, mas precipitar a troca soaria como golpe e beneficiaria apenas o PT, apesar da fragilidade do partido com a condenação de Lula por Sérgio Moro.

Na balança. A situação de Rodrigo Maia também pesa. Se ele assumir o governo, pela lei eleitoral o único cargo ao qual poderia se candidatar seria o de presidente em 2018. E dificilmente teria apoio do PSDB e PMDB para isso.

Tá puxado. Se quiser concorrer para deputado, teria de se desincompatibilizar do Planalto em abril, situação inimaginável. São dois cenários que podem deixar Maia sem mandato (e foro) a partir de 2018.

Tem pra todos. Congressistas brincavam que ninguém escapa do Sergio. Temer foi alvo de parecer de “Sergio” Zveiter pedindo que seja processado; enquanto Lula foi condenado por “Sérgio” Moro.

O filho é teu. Um pesquisa nas redes sociais a que o Planalto teve acesso, feita de 18/5 a 5/07, mostra que usuários relacionam Joesley Batista mais ao PT do que ao presidente Temer.

Ufa. O Planalto comemorou 3 respiros: Geddel solto; base fechando questão contra denúncia e Lula condenado. Acha que isso tira Temer da agenda negativa.

Apressado. O desembargador Ney Bello soltou Geddel Vieira Lima antes mesmo de o juiz de 1.º grau analisar áudios de WhatsApp que podem confirmar (ou não) a versão da mulher do operador Lucio Funaro de que ele tentou impedir a delação do seu marido.

Só o começo. As decisões de prender e soltar se basearam apenas em laudo da PF que confirmou não haver montagem nas mensagens de texto ou no registro de ligações feitas por Geddel a Raquel Funaro.

Para de falar! Chamou a atenção de investigadores a restrição imposta a Geddel Vieira Lima na prisão domiciliar. Ele está impedido de utilizar telefones, o que não é comum nesses casos.

Vem aí. Os dados da arrecadação da Receita Federal de junho superaram a expectativa da Fazenda e deixaram a equipe econômica animada. Os números devem ser divulgados na segunda.

Me ajuda…O PT já traçou a estratégia para a votação da denúncia de Michel Temer em plenário. Os 58 deputados da bancada só vão registrar presença depois que Temer conseguir colocar 342 aliados no plenário.

…a te ajudar. Petistas não querem ajudar Temer a conseguir quórum para possivelmente se salvar de ser processado. Preferem vê-lo sangrando por mais tempo para, quem sabe, voltar a se pensar num acordão que salve também Lula.

Vai demorar. Com a obstrução do PT e do PCdoB, o Planalto começa a se convencer de que não conseguirá obter quórum de 342 para votar a denúncia no plenário na sexta e na próxima semana. A denúncia deve se arrastar para agosto.

CLICK. Nas sete horas de sabatina que aprovou por unanimidade Raquel Dodge para a PGR, o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) acabou tirando uma soneca.

Foto: Dida Sampaio

 

Colocou água. A carta de governadores do PSDB criticando o presidente do partido, Tasso Jereissati, por ter afirmado que o governo Temer caminha para a ingovernabilidade só não saiu porque Geraldo Alckmin (SP) resistiu a assinar.

Sei… Os articuladores do governo juram que Temer não está preocupado com a delação de Eduardo Cunha, já que ela deve envolver cem deputados. O difícil é disfarçar a tensão com a colaboração do operador Lucio Funaro.

Separa. O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se estranharam de novo ontem por causa da reforma trabalhista. Quem acompanha os bastidores do Planalto diz que “Padilha não morre de amores por Maia”.

 

Sinais Particulares – Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil; Por Kleber Sales

Pronto, Falei! 

“Agora vamos cuidar do Lula”, diz o senador José Pimentel (PT-CE) em resposta sobre se a condenação do petista tem reflexos no processo contra o presidente Michel Temer na Câmara.