De saída, governo licita de carro blindado a ração para ema

De saída, governo licita de carro blindado a ração para ema

Coluna do Estadão

19 de dezembro de 2018 | 05h00

FOTO: Palácio da Alvorada/Ichiro Guerra/PR

No apagar das luzes do governo Michel Temer, o Planalto fará neste mês 17 licitações e pregões de registro de preço que, somados, chegam a R$ 23,7 milhões. Um dos mais caros, no valor de R$ 6,2 milhões, será para compra de até 30 carros, sendo 12 blindados, resistentes até a tiros de submetralhadora. O certame ocorrerá no dia 26. Mas os itens são variados: vão desde 48 televisores e assinatura de 21 pontos de TV a cabo no Alvorada, residência oficial do presidente da República, até a compra de 35 toneladas de ração para emas, surubins e canários.

Lista de compras. O Planalto também vai comprar uniformes de treinamento para seguranças com tecido antimicrobiano e 350 mil litros de combustíveis, além de contratar restauração de três esculturas que ficam no 3.º andar, onde está o gabinete presidencial.

Herança. Como serão realizados no fim do ano, produtos e serviços devem ser usufruídos somente em 2019, quando Jair Bolsonaro já tiver tomado posse. O valor total leva em consideração estimativa de uso.

Com a palavra. A Secretaria-Geral diz que os editais visam à não interrupção dos serviços. Não justificou, porém, por que deixou para o último mês.

Classificados. As conversas entre Jair Bolsonaro e a senadora Ana Amélia (PP-RS) sobre um cargo no futuro governo não avançaram. Ela agora trata com o futuro governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, a possibilidade de assumir a representação do Estado em Brasília, que ganharia status de secretaria.

Overbooking. A bancada evangélica e o PT estão de olho na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara para o ano que vem. Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) é o nome dos religiosos para a vaga. Os petistas querem o deputado Paulão (AL).

Pai da criança. A indicação do líder de governo no Congresso, André Moura (PSC-SE), para Anvisa é do ministro das Cidades, Alexandre Baldy. Ele tenta desde setembro emplacar na vaga seu sobrinho, Rodrigo Sérgio Dias, mas acusações paralisaram a sabatina no Senado, levando-o a trocar a aposta nesta reta final.

SINAIS PARTICULARES — A SÉRIE

OS NOVOS MINISTROS

Ernesto Araújo, Relações Exteriores; por Kleber Sales

Rufem os tambores. A aposta no Judiciário é que o novo julgamento no Supremo sobre a prisão após segunda instância, marcado para 10 de abril, deve levá-los a definir que a pena começará a ser cumprida somente após o STJ analisar todos os recursos possíveis.

Sem fim. Medida nesse sentido pode colocar Lula em liberdade, uma vez que no STJ ninguém acredita que haja desfecho do caso dele até abril. São várias as possibilidades de recursos. E ainda beneficiaria José Dirceu, Eduardo Cunha e Sérgio Cabral.

CLICK. Renan Calheiros enfrentou manifestações contrárias à candidatura à presidência do Senado. No domingo, militantes do PSL estiveram na porta da casa dele.

Reprodução

Famoso quem? Deputados cariocas andam decepcionados com a formação do governo de Wilson Witzel (PSL-RJ). É que comparam com as escolhas do governador eleito de São Paulo, João Doria, que conseguiu reunir seis ex-ministros de Temer.

Efeito França. A ambição política de Henrique Meirelles incomoda os aliados do vice-governador eleito de SP, Rodrigo Garcia (DEM). A pergunta que se fazem é: se em 2022 Doria disputar o Planalto, quem será seu candidato na sucessão estadual? Garcia ou Meirelles?

PRONTO, FALEI! 

“O menino ficou chateadinho pela minha projeção ao lado do pai dele”, DO DEPUTADO FEDERAL ELEITO JULIAN LEMOS (PSL-PB),  sobre Carlos Bolsonaro negar que ele será coordenador do governo Bolsonaro no Nordeste. 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao