De olho na alta rejeição, Bolsonaro põe no forno novo programa de crédito

De olho na alta rejeição, Bolsonaro põe no forno novo programa de crédito

Camila Turtelli e Matheus Lara

13 de fevereiro de 2022 | 05h00

Bolsonaro na cerimônia de divulgação dos novos critérios de renegociação das dividas do Fies na quinta, 10, em Brasília. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Com alto índice de rejeição nas pesquisas de intenção de voto para presidente e temeroso de uma ascensão da terceira via na disputa eleitoral, Jair Bolsonaro (PL) prepara um programa para agradar parcela importante do eleitorado na esteira de ações como o reajuste para professores da rede pública e a renegociação das dívidas estudantis (Fies). Agora, está no forno do Ministério da Casa Civil um novo programa de crédito para microempreendedores via bancos públicos. A ideia inicial discutida no Palácio do Planalto é de viabilizar empréstimos de até R$ 3 mil para este grupo. A previsão do governo é lançar o programa no mês de março sob a tutela do ministro Ciro Nogueira (Progressistas-PI).

REPETECO. O programa se assemelha a uma medida provisória editada pelo governo no segundo semestre de 2020 que emprestou mais de R$ 100 bilhões para pequenos e microempresários, tendo o governo como garantidor.

AVALISTA. O deputado federal Efraim Filho (DEM-PB), relator da MP de 2020, acredita que o modelo do fundo garantidor pode ser replicado para socorrer o setor que ainda sofre os efeitos da pandemia. Segundo o Sebrae, há hoje 20 milhões de micro e pequenas empresas no Brasil.

SERÁ? Na toada deste pacote de “bondades eleitorais”, o Palácio do Planalto ainda articula formas de tentar aprovar a correção da tabela do Imposto de Renda no Congresso. Entre deputados e senadores, porém, o cenário é de descrença em relação ao avanço do projeto neste momento.

CLICK. Renan Filho, governador de Alagoas (MDB)

Político do MDB registrou a vacinação dos filhos João e Davi contra a covid-19. “Cuide das suas crianças. Só com a vacinação vencemos essa luta.”

NA FÉ. O líder do PSB na Câmara, Bira do Pindaré (MA), disse estar confiante de que a federação entre seu partido com PT, PCdoB e PV vai se concretizar. “Tivemos consenso em vários pontos e estamos discutindo juntos o melhor sistema diretivo e deliberativo. O ambiente é favorável”, afirmou.

JUNTOS. O PSC está mais próximo de uma federação com o Patriota. O partido reuniu os dirigentes estaduais durante a semana e foram identificados poucos conflitos para fechar o “casamento”.

MAPEANDO. A organização Redes Cordiais realiza um levantamento para mapear os principais problemas enfrentados por mulheres que participam da política partidária no Brasil. Para isso, lançou um questionário online a ser respondido por futuras candidatas. Eleitores podem enviar o formulário a suas futuras candidatas.

ESCORREGOU. Na reta final dos processos para escolha de candidatos para as eleições, o Novo tem tido vida própria sem o comando de João Amoêdo, algo impensável depois da campanha da sigla em 2018.

QUEM MANDA? Aliados de Amoêdo têm usado o distanciamento do ex-dirigente das decisões do partido para rebater a acusação de que ele atuava como “dono” da sigla: um “coronel” não aceitaria perder o comando desse jeito.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). João Amoêdo, ex-presidente do Novo

PRONTO, FALEI! Orlando Silva, deputado federal (PCdoB-SP)

“Com Bolsonaro, o Brasil virou um pesadelo. Uma competição para ver quem choca mais a sociedade para disputar uma minoria de extremistas criminosos.”

ALBERTO BOMBIG ESTÁ DE FÉRIAS E RETORNA À ‘COLUNA DO ESTADÃO’ NO DIA 16 DE FEVEREIRO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.