Da esquerda à direita, disputa ao Senado em São Paulo segue embaralhada

Da esquerda à direita, disputa ao Senado em São Paulo segue embaralhada

Camila Turtelli e Matheus Lara

14 de março de 2022 | 05h00

A  menos de um mês do fim da janela partidária, São Paulo segue sem candidatos naturais, com exceção do apresentador Datena, para a disputa pela única vaga no Senado. Os pré-candidatos ao governo guardam essa carta na manga para definir apoios e resolver imbróglios. Entre os bolsonaristas, desponta a médica Nise Yamaguchi, recém-filiada ao PTB. No entanto, seu nome não agrada muito o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, pré-candidato ao governo. No PSDB, houve um movimento de disputa, envolvendo o secretário do Desenvolvimento, Marco Vinholi, que foi abortado para não fechar as portas do partido para Datena, tido pelos tucanos como um curinga nessa corrida.

Foto: Reprodução/TV Bandeirantes

TRUCO. Datena tem se encontrado com a cúpula do PSDB e passou o fim de semana passado na casa do governador João Doria em Campos do Jordão. Os tucanos, porém, também não descartam a possibilidade de apoiar, para o Senado, até o ex-juiz Sérgio Moro, hoje pré-candidato ao Palácio do Planalto pelo Podemos.

SEIS. Na esquerda, o apoio ao Senado pode resolver o impasse entre PT e PSB, caso Márcio França (PSB) aceite o desafio em uma dobradinha com Fernando Haddad (PT) para o governo do Estado. 

RESSOCIALIZAÇÃO. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública vai propor no Conselho de Justiça alternativas de trabalho e renda aos egressos do sistema prisional. A ideia é contribuir na criação de leis para que o setor público possa usar mão de obra deste tipo em fornecimento de produtos e serviços.

 EXPOSTOS. Teve polêmica na seleção do Santander para o desenvolvimento do real digital pelo Banco Central, no Lift Challenge. Questões como a segurança nacional e a possível exposição do sistema financeiro a agentes do setor privado causaram desconforto em atores do mercado.

CONFLITO. Instituições que ficaram de fora alegam que a entrada de bancos privados no processo coloca em xeque os interesses públicos e privados  nas decisões. Procurado o Banco Central disse que o desafio buscou dar transparência aos debates sobre o real digital e obteve uma ampla variedade de experiências entre os proponentes selecionados.

CORTE AO VETO. Após a derrubada do veto presidencial à distribuição de absorventes, a deputada Marília Arraes (PT-PE), autora do projeto, comemorou: “Perdeu Bolsonaro, ganharam as mulheres do País”.

DE OLHO…O PL que torna crime fraude no Cadastro Ambiental Rural, protocolado pelo senador José Serra (PSDB) resulta de um alerta da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps) sobre uso irregular do sistema por grileiros. Dados do grupo cívico e do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) embasaram o projeto.

…NA AMAZÔNIA. Serra agora recolhe assinaturas para uma PEC sobre o tema. De 2016 a 2020, registros em florestas públicas não destinadas aumentaram 232%, o que para a Raps é um indício de grilagem.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Marília Arraes (PT-PE), deputada federal

CLICK, Leandre (PSD-PR), deputada federal

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, com a parlamentar e com a deputada Luísa Canziani (PSD-PR), duas recém-filiadas ao PSD

COLABOROU PEDRO VENCESLAU E THAIS BARCELLOS

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.