Custo de vida já corrói o ‘novo’ Bolsa Família

Custo de vida já corrói o ‘novo’ Bolsa Família

Coluna do Estadão

04 de julho de 2021 | 02h11

O governo Jair Bolsonaro enfrenta aquela fase do cobertor curto em cama estreita, conhecida por quem já esteve no Planalto. Fustigado pela CPI da Covid, pressionado pelas ruas e com o desemprego em alta no País, o presidente tenta colocar em pé um “novo” programa de transferência de renda para o ano eleitoral, mas tem sido alertado por assessores diretos e correligionários de que cada mês de atraso pode ser fatal para o impacto social da medida. Ou seja: a escalada do custo de vida corrói o valor do benefício antes mesmo de sua criação.

Ufa! Nas palavras de um deputado da base governista, para ter eficácia eleitoral, o valor do benefício tem de ser suficiente para o brasileiro, além de adquirir a cesta básica de alimentos, colocar gasolina na moto, comprar um botijão de gás e pagar a conta de luz.

Dragão… Em junho, o preço do gás de cozinha teve nova alta e a Aneel aumentou o valor cobrado nas bandeiras tarifárias da conta de luz. Apesar de a Petrobrás segurar o aumento dos combustíveis, o preço sobe nas bombas.

SINAIS PARTICULARES
Jair Bolsonaro, presidente da República

…da inflação. Em 2020, a inflação de alimentos chegou a 15% e a perspectiva para este ano não é otimista. Em linhas gerais, a “magia eleitoral” do Bolsa Família, que tanto ajudou o PT, pode não funcionar na reeleição de Jair Bolsonaro.

A ver. Como mostrou o Estadão, a definição do valor médio do novo Bolsa Família, conforme a equipe do ministro Paulo Guedes, dependerá da reforma do IR no Congresso: o governo adotou como estratégia para ganho de arrecadação medidas como a tributação de lucros e dividendos para servir de financiamento do programa.

A ver 2. Assessores e parlamentares da base governista falam em valores do benefício que vão de R$ 250 a R$ 300 por mês.

Na ponta… Apesar da forte resistência no Senado ao nome de André Mendonça para o STF, assessores palacianos dizem que há, sim, votos para levar o preferido de Bolsonaro até a Corte: mais de 50.

…do lápis. Líderes evangélicos também entraram em campo para reforçar o lobby por Mendonça.

Ideia fixa. A nova obsessão de Bolsonaro sobre o voto impresso (que se intensificou nos últimos dias) não é apenas jogo de cena do “cercadinho”. Em privado, o presidente tem insistido cada vez mais na ideia com seus assessores.

CLICK. Militantes do Partido da Causa Operária (PCO) partiram para cima do pequeno grupo do PSDB que participou do protesto contra Jair Bolsonaro na Paulista.

Cenário… Analistas e políticos experientes são unânimes em afirmar que, desde as eleições de 1989, o País nunca viveu um ano pré-eleitoral tão confuso e de extrema volatilidade política como neste ano.

…incerto. Assim, qualquer “previsão” eleitoral sobre 2022 vai pouco além de um “chute” enquanto os principais fatores de instabilidade persistirem.

Dúvidas. Até onde e com qual poder de destruição vai a pandemia? O centro político será capaz de ter um candidato competitivo? A economia irá se recuperar? Qual será o desfecho das investigações que envolvem o clã Bolsonaro? As ruas vão se acalmar?

Diga aí. Todas essas questões podem ser sintetizadas em uma, diz um político experiente: até onde Arthur Lira vai com Bolsonaro?

PRONTO, FALEI!
Felipe Santa Cruz, presidente nacional da OAB

“Prevaricação é fato novo, importante. Se ficar comprovado que Bolsonaro foi comunicado e nada fez, é o assunto mais importante no Brasil em décadas.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.