Corrente no PDT quer levar Ciro para conversas com outros nomes da 3ª via

Corrente no PDT quer levar Ciro para conversas com outros nomes da 3ª via

Camila Turtelli, Gustavo Côrtes e Matheus Lara

06 de abril de 2022 | 05h00

O presidenciável Ciro Gomes, do PDT. Foto: Divulgação/PDT.

Tem ganhado força no PDT a ideia de uma aproximação do partido com as demais lideranças da terceira via, após o fim do projeto presidencial do ex-juiz Sérgio Moro (União). Esse tema deverá ser pauta de conversas na legenda do presidenciável Ciro Gomes, nas próximas semanas, já que os demais partidos desse grupo (PSDB, União, MDB e Cidadania) deixaram as portas abertas para ele participar dos debates sobre a definição de um candidato único contra a polarização na corrida ao Palácio do Planalto. “Evitamos os lados de Lula e Bolsonaro, mas estamos abertos ao diálogo com os outros. Daqui até julho, todas as conversas acontecerão”, disse, Antonio Neto, presidente do PDT paulista à Coluna.

PEDRA NO CAMINHO. A costura de uma aliança esbarra na indisposição em admitir a possibilidade de Ciro não ser candidato. “Ele é quem tem se mostrado mais viável para vencer a polarização. Defendo que converse, sem compromisso de abrir mão de candidatura”, disse o deputado André Figueiredo (PDT-CE).

PÉ ATRAS. No PDT, há desconfianças em relação à pré-candidatura da senadora Simone Tebet (MDB-MS), devido ao apoio declarado de caciques do MDB a Lula (PT).

SEM QUÓRUM. O Senado marcou tantas sabatinas em um só dia que faltou parlamentar para entrevistar os convidados. Na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), em certo momento, estava na sala apenas Otto Alencar (PSD-BA), na entrevista da indicada à procuradora-geral do Conselho de Defesa Econômica (Cade).

TOUR. A secretária especial de Produtividade, e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Consentino, deve propor uma caravana para oferta de produtos e soluções do “Brasil para Elas” na primeira reunião do Comitê Nacional do programa, hoje.

VENHA. O objetivo é viajar pelo País e fazer ações locais de capacitação voltadas, principalmente, para mulheres sem acesso à internet e não bancarizadas. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, deve ser convidada a participar.

CLICK. José W. da Costa Jr., pastor

Em dia de denúncias no Senado sobre propinas no caso dos pastores e o MEC, Jair Bolsonaro foi convidado por líder evangélico (dir.) para evento da Assembleia de Deus.

POSTO. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre (AP) deve liderar o União Brasil na Casa, segundo integrantes do partido. A fusão de DEM e PSL ainda não foi oficializada no Senado, o que deve ocorrer nesta semana. O novo partido terá oito integrantes, dividindo o posto de quarta maior bancada com o Podemos.

DEVAGAR. Na equipe econômica, há críticas sobre o ritmo do Congresso e a lentidão em se avançar com projetos de interesse do governo, como a Lei das Garantias e a medida provisória que trata do mesmo tema, ambos ainda sem relatoria definida.

NOME. O governo chegou a pedir urgência do projeto de lei, mas acabou desistindo. Segundo fontes, Wellington Roberto (PL-PB), relator do Grupo de Trabalho da Reforma Cartorial, pode assumir a relatoria.

ESTREIA. Rodrigo Garcia (PSDB) participa nesta quarta-feira do primeiro evento desde que substituiu João Doria (PSDB) no governo de São Paulo. Falará ao Conselho Consultivo da ABDIB sobre o programa paulista de investimentos em infraestrutura.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Jair Bolsonaro, presidente da República

PRONTO, FALEI! Sergio Souza, presidente da bancada ruralista

“A bancada defende temas estratégicos para o País. Assuntos relacionados à mineração de pedras preciosas, por exemplo, não interessam ao agro”

COLABORARAM LORENNA RODRIGUES E DANIEL WETERMAN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.