Consórcio se compromete a ampliar monitoramento pós-tragédia de Mariana

Consórcio se compromete a ampliar monitoramento pós-tragédia de Mariana

­

Luiza Pollo

04 de novembro de 2016 | 06h45

04/11/16 :: Atualizado às 16h43

Foto: Marcio Fernandes/Estadão

Foto: Marcio Fernandes/Estadão

Na reunião para discutir a tragédia de Mariana, o Consórcio Candonga, formado por Vale e Novelis, se comprometeu a bancar a ampliação do plano de monitoramento, alerta e remoção de pessoas por até 70 quilômetros, a partir da Usina Risoleta Neves.

(Após a publicação desta nota, a Novelis informou que sua participação de 50% no Consórcio Candonga (Usina Risoleta Neves) foi adquirida pela Vale S.A. no primeiro semestre de 2014.)

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Tragédia em Mariana

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.