Consórcio Rio-Galeão, da Odebrecht, propõe pagar dois anos e ficar cinco livre de cobrança

Consórcio Rio-Galeão, da Odebrecht, propõe pagar dois anos e ficar cinco livre de cobrança

.

Luiza Pollo

13 Março 2017 | 05h30

Foto: JF Diorio/Estadão

Foto: JF Diorio/Estadão

O consórcio Rio-Galeão propôs adiantar o pagamento de dois anos pela concessão e ficar outros cinco sem pagar. O governo está reticente em aceitar o acordo temendo que o TCU entenda como uma mudança de regra às vésperas das novas concessões na área.

A Odebrecht, que participa do consórcio, está sem caixa. O BNDES vetou empréstimos para empreiteiras envolvidas na Lava Jato.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Odebrecht