Conselho Nacional do MP retoma caso que mira Dallagnol

Conselho Nacional do MP retoma caso que mira Dallagnol

Coluna do Estadão

04 de julho de 2020 | 05h00

Deltan Dallagnol. FOTO: UESLEI MARCELINO/REUTERS

Depois de uma semana em que a força-tarefa da Lava Jato de Curitiba sofreu com revelações controversas sobre seu método de atuação, Deltan Dallagnol terá dias complicados pela frente. Para as próximas semanas, com a volta dos trabalhos presenciais do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), estão sendo marcados depoimentos de testemunhas em um caso sensível: a acusação de atuação político-partidária feita por Renan Calheiros (que deve depor até o fim do mês). Além do senador, o procurador também será ouvido por promotores.

Agora vai. A reclamação foi aberta em dezembro último e a defesa de Dallagnol entrou com uma série de impugnações. A pandemia não ajudou também.

Na linha. Em 2019, o procurador fez campanha contra a eleição do emedebista para o comando do Senado. Apesar de processualmente existirem casos mais avançados contra Dallagnol no colegiado, conselheiros avaliam este como sendo o de maior materialidade.

Como assim? Não foram poucos os juristas a observar: a Lava Jato “inovou” na ação contra José Serra, denunciou primeiro e fez busca e apreensão depois.

Tempos difíceis. Os negócios do governador Orestes Quércia (1938-2010) não atravessam bom momento. Após fechar o Octávio Café, que era considerado a joia da coroa, a família acaba de vender todo o sistema de comunicação do grupo, incluindo as rádios e TVs.

Com a… O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), chamou os dados divulgados pelo Planalto sobre repasses ao Estado em 2020, conforme a Coluna antecipou, de “fake news”.

…palavra. “O resumo contém erros e imprecisões, por exemplo, em valores efetivamente repassados ao Estado. São contabilizadas obras de anos diferentes. Se houvesse diálogo, esses equívocos poderiam ser evitados. Talvez a pressa fosse para gerar constrangimentos políticos. Virou uma imensa fake news”, disse Dino.

SINAIS PARTICULARES. 
Jair Bolsonaro, presidente da República

Kleber Sales

Proibido. Um ministro quis ouvir Bolsonaro sobre o caso Queiroz e levou uma cortada: “Não é um assunto de governo”. Fim de papo.

Explica… O líder do Cidadania na Câmara, Arnaldo Jardim (SP), encaminhou ao TCU e ao Ministério da Cidadania requerimentos de informação sobre as investigações que apuram o recebimento irregular do auxílio emergencial.

…aí. Para Jardim, as recentes denúncias de fraudes, inclusive as suspeitas de que funcionários da própria Presidência da República podem ter recebido o benefício dos R$ 600 indevidamente, como mostrou a Coluna, precisam ter respostas rápidas e eficazes.

CLICK. A rodada de entrevistas do ministro das Comunicações, Fábio Faria, também inclui o canal de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, no YouTube.

Reprodução/Instagram

Mais… A minuta da nova portaria de munição e armas do Exército, em consulta pública, é muito menos rigorosa do que as anteriores, revogadas por determinação de Jair Bolsonaro.

…leve? O texto tira o acesso pelas polícias aos bancos de dados de armas e munições do Exército. Dispensa recargas caseiras de serem feitas com munições marcadas. A palavra “rastreamento” não aparece.

Análise. “O prejuízo é para o combate ao crime organizado e tráfico de armas e munições”, diz Bruno Langeani, gerente do Instituto Sou da Paz.

PRONTO, FALEI!

Deputado Sóstenes Cavalcante. Foto: Divulgação.

Sóstenes Cavalcante, deputado federal e membro da bancada evangélica (DEM-RJ):  “Minha única observação é que o escolhido (para ministro da Educação) só não deve ser um ideologicamente ‘neutro’, tem que ser conservador de raiz.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: