Conselho de Ética pode ficar com PT no Senado

Conselho de Ética pode ficar com PT no Senado

Coluna do Estadão

11 Dezembro 2018 | 05h30

Geraldo Magela/Agência Senado

As articulações na disputa pela presidência do Senado passam pela possibilidade de o PT ficar com a presidência do Conselho de Ética. O partido deve apoiar Renan Calheiros (MDB-AL) para o comando da Casa. O conselho é feudo do MDB. Nos últimos seis anos foi presidido por João Alberto Souza (MDB-MA), alinhado a José Sarney. O senador maranhense, porém, encerra o mandato em fevereiro e abre disputa pelo controle de um dos órgãos mais poderosos da Casa, responsável por instaurar processo de perda de mandato contra senadores.

Faca e o queijo… O presidente do Conselho de Ética tem poder para instaurar ou arquivar numa canetada pedidos de investigação contra colegas. Alberto Souza livrou vários aliados da guilhotina do conselho.

Em pauta. Entre os petistas não há consenso. Uma ala avalia que o Conselho de Ética pode ser uma batata quente e prefere a primeira-secretaria, que supervisiona os recursos da Casa, e a Comissão de Direitos Humanos. Mas sabe que, com a bancada reduzida, pode ter de pegar o que sobrar.

Bateu… A Coluna revelou ontem que defensores de Renan ameaçam mandar Flávio Bolsonaro para o Conselho de Ética quando ele assumir o mandato em fevereiro se ele mantiver críticas a candidatura do alagoano. Renan nega estimular o movimento.

…levou. Coube a um irmão do futuro senador rebater a ameaça. “Acho que vai ser um pouco estranho o Flávio estar no Conselho de Ética e o Renan, não”, devolveu Eduardo Bolsonaro. O Coaf apontou movimentação atípica de um ex-assessor de Flávio.

Inteirado. Próximo ministro da Justiça, Sérgio Moro visitou o Palácio do Planalto, ontem, após a diplomação de Jair Bolsonaro. Foi conversar com o general Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), sobre a ameaça de caminhoneiros de deflagrar greve.

Juntos somos fortes. Futuro superministro da Economia, Paulo Guedes prestigiou ontem o coquetel que antecedeu a posse de José Múcio na presidência do TCU. Levou a tiracolo metade de sua equipe.

Esse aí passou… O deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN) vai ser confirmado nos próximos dias como secretário da Previdência do governo de Jair Bolsonaro.

Tá forte. Tasso Jereissati (PSDB-CE) pode emplacar o terceiro nome para integrar o governo Bolsonaro. Há um lobby para que o executivo Geraldo Luciano assuma o BNB.

Tá fraca. O número de cearenses deflagrou crise. Pela primeira vez, não há nenhum pernambucano na composição da Esplanada.

CLICK. Na era do digital, funcionários do TSE tiveram de conferir em inúmeras listas impressas os nomes dos credenciados para a diplomação de Bolsonaro.

A gente tenta. O primeiro-secretário da Câmara, deputado Fernando Giacobo (PR-PR), consultou a área técnica sobre a viabilidade de reajustar o Cotão Parlamentar. O valor destinado a cobrir despesas do mandato varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil, dependendo do Estado do parlamentar.

Sem aval. Seria uma alternativa ao não reajuste salarial dos deputados. A área técnica foi contra.

SINAIS PARTICULARES. Fernando Giacobo, deputado federal (PR-PR); por Kleber Sales

 

PRONTO, FALEI!

“Bolsonaro fez discurso simples, de união. Já a ministra Rosa Weber nos submeteu a uma longa aula de direitos humanos fora de tom. Desnecessário”, DA DEPUTADA FEDERAL ELEITA JOICE HASSELMANN (PSL-SP). 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA. COLABORARAM VERA ROSA E TÂNIA MONTEIRO