Congresso sem resposta para tragédia de Minas

Congresso sem resposta para tragédia de Minas

Coluna do Estadão

05 de setembro de 2019 | 05h00

Tragédia de Brumadinho (MG). FOTO: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Transcorridos quase oito meses da tragédia de Brumadinho (pelo menos 249 mortos e 21 desaparecidos), Câmara e Senado ainda brigam pela autoria de projetos e nada foi aprovado para endurecer a fiscalização de barragens. O Senado votou o PL 550/2019, que aumenta penas e multas em acidentes semelhantes, em fevereiro, mas não foi apreciado pela Câmara. Agora, deputados da Comissão Externa de Brumadinho fizeram acordo para aprovar um outro texto, em outubro, sobre licença minerária, que ainda precisaria tramitar no Senado.

Ajuda aí. Presidente da Comissão Externa da Câmara, Júlio Delgado (PSB-MG) vai pedir para a senadora Leila Barros (PSB-DF) abraçar os quatro projetos do colegiado que já foram votados em plenário. Querem celeridade no Senado.

Sei, não. Leila diz não ter sido consultada por nenhuma liderança da Câmara. Ela defende que pautar o PL 550, de sua autoria, é a maneira mais rápida de o Congresso dar respostas.

Ego. A disputa entre as Casas é tão grande que a proposta de criar uma CPI mista, que poderia dar maior celeridade às sugestões, não saiu do papel.

CLICK. Dissidentes de PDT, PSB e demais insatisfeitos com seus partidos se organizaram em um grupo de deputados, o GPS, que pretende votar junto suas propostas.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Não é comigo. Apesar das cobranças do Planalto para que partidos com cargos votem com o governo, líderes do Congresso dizem não fazer parte da base.

Já era? O sentimento no Congresso é de que dificilmente o governo conseguirá virar a chave da relação com os parlamentares só porque trocou o chefe da articulação política após a chegada de Luiz Eduardo Ramos ao Planalto.

De nada! O líder do DEM, Elmar Nascimento, por exemplo, que indicou o presidente da Codevasf, diz que é de sua cota pessoal e um favor ao governo, sem quadros para tantos cargos.

Mais! O que eles querem, disseram líderes à Coluna, é fazer parte da decisão de acordos, projetos e propostas do primeiro escalão.

Em vão. Em almoço, parlamentares demonstravam apoio à emendamais tarde rejeitada – para antecipar a janela partidária, proposta por Renata Abreu (Podemos-SP). Especialmente Tabata Amaral (PDT-SP).

Ida… São Paulo, Rio, Salvador, Foz do Iguaçu, Porto Alegre e Florianópolis vão ganhar ainda este ano voos com tarifas de baixo custo para Argentina e Chile, responsáveis por 43,58% dos turistas estrangeiros que o Brasil recebe. Para o governo, o turismo entre esses países será incrementado.

…e volta. A JetSmart adiantou aos ministros Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) que fará o anúncio em São Paulo do início da venda de bilhetes no próximo dia 27.

De boa… O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, segundo interlocutores, está despreocupado com críticas de ex-aliados. Recentemente, 21 deles assinaram carta contra sua gestão. “No dia que chegarem a 41, aí me preocupo e fecho o botequim”, teria dito.

SINAIS PARTICULARES
Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Dentro. O deputado federal Daniel Coelho (Cidadania-PE) é mais um a integrar movimentos da sociedade civil: acaba de se associar ao Livres.

O breve. O engenheiro João Luiz Lopes assumiu o comando da Dersa, empresa pública do governo paulista que deverá ser extinta.

BOMBOU NAS REDES!

Randolfe Rodrigues. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Randolfe Rodrigues, senador da Rede-AP: “A humanidade precisa estar acima de qualquer ideologia”, sobre Jair Bolsonaro ter criticado pai de Michelle Bachelet, morto pela ditadura chilena.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao