Congresso prepara salvo-conduto a lixões

Congresso prepara salvo-conduto a lixões

Coluna do Estadão

13 de abril de 2019 | 05h00

MARCOS ARCOVERDE / ESTADÃO

Com o aval de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, o Congresso deve votar na próxima semana, sem passar pelas comissões, uma espécie de salvo-conduto a prefeitos que não extinguiram os lixões antes de 2014, como determinava a Política Nacional de Resíduos Sólidos. O Brasil tem hoje cerca de 3 mil vazadouros ilegais. Se o projeto for aprovado, esse número pode aumentar. “Será um desastre para o setor de saneamento”, diz Fernando Barreto, presidente da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente.

Mais tempo. Sob pressão da Marcha dos Prefeitos, foi aprovado na quarta-feira requerimento da deputada Flávia Morais (PDT-GO), que pedia urgência urgentíssima para o Projeto de Lei 2.289 que prorroga o prazo para o fim dos lixões.

Sem chance. Segundo a liderança do Ministério Público Ambiental, lixões são proibidos desde 1954 e os prefeitos não terão trégua. No entender do MP, “a prática continuará sendo crime”, diz Barreto.

Apoios… O presidente do PSC, Pastor Everaldo, prometeu a Jair Bolsonaro apoio do partido à reforma da Previdência e apresentou proposta que isenta os trabalhadores que ganham até R$ 5 mil de pagar IR.

…e pedidos. O PSC pediu ainda mudanças nos limites da receita bruta para os microempreendedores individuais, microempresas e as empresas de pequeno porte. Bolsonaro prometeu analisar as demandas.

Agora é que são elas. Não é pequena no PSDB Mulher a pressão para que a ex-governadora do RS Yeda Crusius apresente sua candidatura à presidência nacional do partido. Renovação de verdade, defende a ala feminina, seria ter uma mulher no comando.

SINAIS PARTICULARES.

Yeda Crusius, ex-governadora e presidente do PSDB Mulher

Ilustração: Kleber Sales

Maré de azar. Os problemas de Mário Vilalva não acabaram com sua demissão da Apex. Está na Ouvidoria denúncia de assédio moral contra ele. O ex-presidente teria ameaçado demitir até servidores concursados caso o contrariassem.

Com a palavra. Vilalva afirmou à Coluna ser vítima de perseguição. “Em 43 anos de vida pública, nunca assediei ninguém”, disse.

Pegou… A intervenção de Jair Bolsonaro na política de preços da Petrobrás reforçou no Congresso a impressão de que o presidente não pensa duas vezes antes de rifar acordos políticos e compromissos para manter seu capital eleitoral. Foi assim com os caminhoneiros no caso do diesel.

…mal. No momento em que tenta avançar nas costuras da reforma da Previdência, Bolsonaro fez crescer entre os líderes a desconfiança de que é incapaz de dividir com o Parlamento o desgaste por mexer na aposentadoria dos brasileiros.

CLICK. Enquanto Bolsonaro tenta reaproximação com o mundo árabe em Brasília, a representação brasileira em Ramallah envia doação de arroz para a Faixa de Gaza.

Foto: Coluna do Estadão

Corrida… A Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal mudou às pressas os critérios para a indicação de candidatos às vagas do Tribunal de Justiça. A alteração deve dificultar o acesso de Gustavo do Vale Rocha à lista de cotados para a Corte.

…de obstáculos. Gustavo do Vale Rocha foi ministro dos Direitos Humanos da gestão Michel Temer e é secretário de Justiça do governador Ibaneis Rocha, adversário do atual presidente da OAB-DF, Délio Lins e Silva.

PRONTO, FALEI!

Marcelo Freixo, deputado federal (PSOL-RJ): “A manifestação de Bolsonaro conseguiu ser mais cruel e hedionda do que o seu silêncio”, sobre a fala do presidente no caso do assassinato com 80 tiros do músico.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU ELIANE CANTANHÊDE.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Rodrigo MaiaDavi Alcolumbre