Conass encampa luta para manter novas UTIs

Conass encampa luta para manter novas UTIs

Coluna do Estadão

25 de setembro de 2020 | 05h00

Médicos tratam paciente com coronavírus Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Com a covid-19 dando sinais de desaceleração no País, Estados e municípios se mobilizam para manter a estrutura de UTI (ou ao menos parte dela) criada na pandemia. De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde, 4,6 mil leitos usados no enfrentamento do novo coronavírus deveriam ser mantidos no SUS. O problema: em geral, a ajuda do Ministério da Saúde é vital no custeio da rede hospitalar. O Conass já está em contato com a pasta em busca de uma solução, mas a questão está em análise pela equipe de Eduardo Pazuello.

Emergência. Desde o início da pandemia, foram usados, dentre novos e já existentes, cerca de 21 mil leitos de UTI para atendimento a pacientes com a doença. Os Estados arcam com parte dos custos de utilização e a União pode ajudar com o restante.

Divisão. Do total pleiteado pelo Conass junto ao Ministério da Saúde, 3,6 mil ficarão sob gestão estadual e 1 mil com os municípios.

Ainda falta. Atualmente, o déficit de leitos de UTI no País, de acordo com levantamento produzido pelo Conass, é de quase 10 mil.

Como está… A Secretaria Nacional do Consumidor encaminhou 28 ofícios para a associação dos Procons do País e também para o Ministério Público do Consumidor e a OAB para pedir informações sobre o monitoramento dos valores dos itens da cesta básica.

…o quadro. O documento solicita transparência dos Procons e informações sobre as ações realizadas durante a pandemia por todo o sistema nacional de defesa do consumidor, em âmbito estadual e municipal, para avaliação de medidas e resultados.

Sem pano. As lambanças de Filipe Sabará quase deixaram o Novo completamente velho com uma semana de campanha. A direção agiu rápido. Quer mostrar que não passa pano.

Inaugural. O deputado Orlando Silva será o primeiro candidato do PCdoB ao Executivo municipal de São Paulo. Por décadas, os comunistas foram linha auxiliar do PT na capital. Agora, nas pesquisas iniciais, ele larga no mesmo patamar do petista Jilmar Tatto.

SINAIS PARTICULARES.
Orlando Silva, deputado federal e candidato a prefeito de São Paulo pelo PCdoB

Ilustração: Kleber Sales

Agrados. Num período decisivo para a CPI da Pandemia no DF vingar ou ser enterrada, o governador Ibaneis Rocha (MDB) escancarou a caixa de nomeações. Somente na sexta-feira passada, foram 61, das quais 30 no gabinete da Casa Civil.

Comigo. No último dia 15, Ibaneis publicou decreto pelo qual centralizou em seu gabinete a destinação de todos os cargos comissionados. A mudança, inédita, alcança cerca de 15 mil posições comissionadas.

Vem também. As administrações regionais, espécie de “prefeituras” do GDF, também entraram na dança: são locais de contato direto com os cidadãos.

Desistência. O deputado distrital Daniel Donizet (PL), que controla a administração regional do Gama, retirou sua assinatura do requerimento de criação da CPI na semana passada, caindo para 12 o total de apoiadores da comissão. São necessários 13 votos para que a CPI vingue.

De novo? A entrevista de Milton Ribeiro (Educação) ao Estadão repercutiu mal. Aliados do governo avaliam não haver espaço para novos “Weintraubs”.

CLICK. Eduardo Bolsonaro e Gilson Machado (Embratur) tentaram provar em um vídeo, in loco, que a Amazônia não pega fogo. É úmida e cheia de CO2, argumentaram.

Reprodução/Instagram

PRONTO, FALEI!

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Rodrigo Agostinho, deputado federal (PSB-SP): “Sobrevoar o Pantanal queimado não resolve o problema. O desmonte ambiental e a cegueira negacionista já cobraram sua fatura”, sobre a visita técnica do ministro Ricardo Salles às áreas afetadas pelos incêndios no Pantanal em Mato Grosso.

COM ALBERTO BOMBIG E MARIANA HAUBERT. 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: