Comissão de Ética rejeita denúncia do PSOL contra filho de Mourão

Comissão de Ética rejeita denúncia do PSOL contra filho de Mourão

Naira Trindade

21 de janeiro de 2019 | 17h12

Candidato a vice-presidente, general Mourão. Foto: Wilton Júnior/Estadão.

A Comissão de Ética da Presidência rejeitou liminarmente, em reunião na tarde desta segunda-feira, 21, a denúncia do PSOL contra a promoção de Antônio Rossell Mourão, filho do vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), a assessor especial da presidência do Banco do Brasil.

O colegiado entendeu que Antônio Rossell Mourão não se enquadra à Súmula vinculante 13 (que veda nepotismo) porque o filho de Mourão é concursado há 18 anos e “preenche os requisitos” para o cargo, segundo conselheiros.

Há 11 dias, o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, pediu que a promoção do filho de Mourão fosse revogada alegando que tal nomeação feria princípios que devem orientar a administração pública.

Como assessor especial do presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, o salário de Antônio Rossell Mourão triplicou: de R$ 12 mil para R$ 36,4 mil mensais. (Naira Trindade)

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.