Comissão de Ética Pública abre processo contra Ministro da Justiça

Coluna do Estadão

27 de setembro de 2016 | 18h10

O Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. Foto: Jf Diório/Estadão

O Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. Foto: Jf Diório/Estadão

 

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu abrir investigação sobre a conduta do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que vazou uma operação da Polícia Federal. O ministro tem dez dias para se explicar.

No último domingo, o ministro disse em Ribeirão Preto (SP) que uma nova etapa da Operação Lava Jato vai ser deflagrada na semana. A declaração foi feita em uma conversa com integrantes do Movimento Brasil Limpo (MBL), que organizou atos de apoio ao impeachment de Dilma Rousseff, e presenciada pelo Broadcast, serviço de notícias da Agência Estado.

Um dia depois da declaração do ministro, que é chefe da Polícia Federal, foi deflagrada a 35ª fase da Lava Jato que prendeu o ex-ministro Antonio Palocci, que é de Ribeirão Preto.

O ministro já teve que dar explicações ao presidente Michel Temer. Ele alega que foi força de expressão e não vazamento de informação privilegiada. (Naira Trindade)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.