Comissão de Ética dá 30 dias para Padilha responder sobre declarações de troca de votos por ministério

Comissão de Ética dá 30 dias para Padilha responder sobre declarações de troca de votos por ministério

.

Luiza Pollo

20 de fevereiro de 2017 | 20h35

Eliseu Padilha. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Eliseu Padilha. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente da Comissão da Ética Pública da Presidência da República, Mauro Menezes, informou nesta segunda-feira o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, terá 30 dias para prestar esclarecimentos ao colegiado sobre suas declarações admitindo troca de votos no Congresso por espaço na Esplanada dos ministérios. Segundo Menezes, a apuração se deu por conta de representações apresentadas por parlamentares do PT e o relator do caso será o conselheiro Marcelo Figueiredo. Procurada, a Casa Civil informou apenas que o ministro “irá responder dentro do prazo estabelecido”.

Conforme revelado pela Coluna do Estadão, em uma palestra na Caixa, Padilha admitiu que o governo escolhe seus auxiliares com base no número de votos que ele pode lhe garantir no Congresso. Foi assim, relatou, com o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP). “A Saúde é de vocês, mas gostaríamos de ter um notável”, contou ter dito ao PP. “Diz para o presidente que nosso notável é o deputado Ricardo Barros”, respondeu a sigla. “Vocês garantem todos os votos do partido nas votações?”. “Garantimos”. “Então o Ricardo será o notável”, disse Padilha a uma plateia de executivos do banco. “Nosso objetivo era chegar aos 88% de apoio no Congresso. Não há na história do Brasil um governo que tenha conseguido 88% do Congresso. Isso Vargas não teve, JK não teve, FHC não teve, Lula não teve, só nós que conseguimos”, disse o ministro. (Carla Araújo)

Ouça o áudio de Padilha na palestra da Caixa:

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Eliseu Padilha

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.