Com País em crise sob Bolsonaro, parlamentares apresentam pacote para criar regras de gestão em pandemias

Com País em crise sob Bolsonaro, parlamentares apresentam pacote para criar regras de gestão em pandemias

Camila Turtelli e Matheus Lara

18 de fevereiro de 2022 | 05h00

O presidente Jair Bolsonaro (PL). Foto: Eraldo Peres/AP

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e a deputada Tabata Amaral (PSB-SP) apresentaram um pacote com cinco projetos, a fim de evitar a repetição de erros do governo federal durante a pandemia da covid-19. O pacote cria regras que vão da atualização dos tipos penais em saúde pública até a fiscalização da qualidade dos investimentos no SUS. Para Vieira, o combo é uma resposta do Congresso à atuação da gestão Bolsonaro durante a crise. “A aprovação de projetos sempre vai depender de sua relevância e de articulação política adequada. A relevância é a maior possível e as nossas propostas pretendem ser uma resposta do Congresso Nacional, não de uma comissão ou partido”, disse.

IDEIAS. “A CPI foi uma resposta do Senado para os crimes cometidos pelo governo, assim como esse pacote de projetos é uma resposta a alguns dos gargalos que vimos na legislação na área da saúde durante esse período”, disse Tabata.

VAI, PACHECO! A CPI gerou 17 propostas, mas nada avançou significativamente e a cúpula da comissão tem pressionado o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para dar andamento aos textos.

FALANDO EM CPI. O procurador-geral da República Augusto Aras tratou o relatório da CPI, chamado por ele de “HD desorganizado”, como se fosse uma antiga fita VHS desenrolada e inutilizada. A cúpula prometeu reação. Bolsonaristas têm usado a descrição de Aras para apontar suposto amadorismo por parte dos senadores que pediram indiciamento do presidente e outros 79.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Augusto Aras, procurador-geral da República

VACINA, AÍ. Aliados do presidente Jair Bolsonaro têm cada vez mais pressionado para que o capitão se vacine contra a covid-19. Pesquisas informais feitas pelo quartel-general de sua pré-campanha revelam que boa parte dos eleitores do presidente é favorável à imunização e isso poderá pesar nas urnas em outubro.

SÓ VENDO. O entorno tem sentido mudança de postura nas falas do presidente e de membros de sua família com declarações mais positivas sobre a vacina. Mas claro, há entre aliados do clã a avaliação de que é pouco provável que ele de fato se vacine e torne isso público.

CLICK. Vinicius Poit, deputado federal (Novo-SP)

Parlamentar (esq.) foi recebido pelo prefeito de Medellín, na Colômbia, Daniel Calle. Ele viaja a convite da Comunitas para conhecer projetos de inovação.

REPERCUTIU. Após a Coluna revelar, na quarta, 16, que o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes enviou mensagens a governistas pedindo a cabeça de Sérgio Camargo, da Fundação Palmares, o magistrado manteve várias conversas sobre o assunto.

PEGA MAL. A interlocutores, Gilmar Mendes tem dito que a permanência de Camargo na presidência do órgão é algo que pode afetar ainda mais a imagem do Brasil no mundo.

PRONTO, FALEI! Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte (PSD)

“A diferença entre o governador de Minas Gerais (Romeu Zema) e o prefeito de Belo Horizonte é o sentimento de amor pelo presidente da República”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.