Com discurso vários tons acima, Lula surpreendeu o Planalto

Com discurso vários tons acima, Lula surpreendeu o Planalto

Coluna do Estadão

12 de novembro de 2019 | 05h00

De todas as declarações de Lula após ter deixado a prisão, uma incomodou demais a cúpula do governo, a de que o País precisa seguir o exemplo de Chile e Bolívia: “É lutar, é atacar e não apenas se defender”, disse o petista. No Planalto, já estava prevista a escolha de Jair Bolsonaro como alvo preferencial de Lula. Mas, no entender dos governistas, o ex-presidente voltou com vários tons acima e “incitou à violência”, sob risco de gerar turbulência no País. Eles lembram que Bolsonaro foi firme ao desautorizar o filho Eduardo em falar em “novo AI-5”.

Palavra. Eduardo pode ser alvo do Conselho de Ética por ter dito que, “se a esquerda radicalizar”, a resposta pode ser um novo AI-5. De acordo com o Planalto, em privado, o presidente tem sido claro: não há a menor possibilidade de algo assim acontecer.

Palavra 2. Jair Bolsonaro abriu a reunião com militares no sábado dizendo que o governo respeita a decisão do STF e o estado democrático de direito.

Nova… A Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro deve anunciar hoje, nascerá com uma preocupação: evitar candidaturas laranjas femininas, pivô da crise entre o presidente e o PSL.

…casa. Serão oferecidos cursos a distância e presenciais para candidatas aprenderem quais práticas são proibidas e como fazer prestação de contas, além de técnicas de marketing digital para tornar as campanhas mais eficientes.

Nacional. Segundo o entorno do presidente, eleições municipais, por serem muito capilarizadas, podem facilitar irregularidades. O novo partido também deverá ter um canal de denúncias. Na logomarca, as cores da Bandeira do Brasil.


CLICK.
Paulo Skaf, da Fiesp, penou para conseguir uma foto com Bolsonaro. Cercou o presidente, posicionou fotógrafos e só então conseguiu a atenção para o registro. (Foto: GABRIELA BILÓ/ESTADÃO)

Contra… Aliados de Bolsonaro estão confiantes em obter as assinaturas necessárias até o fim deste mês. Vão focar em SP, RJ e Estados menores do Norte, onde não são necessárias muitas adesões para se atingir o coeficiente necessário.

…o relógio. Confiam também que a pressão popular fará com que a presidente do TSE, Rosa Weber, paute a criação do partido antes de abril, prazo para participar das eleições municipais.

Divisão de tarefas. Até a noite de ontem, Bolsonaro ainda não havia decidido se presidirá o novo partido. O plano inicial era: Eduardo à frente da fundação e coordenando cursos e Flávio na articulação política e rumo às eleições municipais.

Águas turvas. Rodrigo Maia deve instalar a CPI do Óleo ainda nesta semana. Deputados do Nordeste estão divididos. Enquanto a maioria defende a instalação, alguns ponderam sobre os impactos que uma investigação com alto grau de publicidade poderia ter no turismo da região.

Lobby. O setor do turismo, aliás, pressiona os parlamentares contra a instalação do colegiado. Argumentam que muitas praias já estão limpas e temem que o verão seja mais prejudicado com a exploração da CPI na mídia.

Escrutínio. O governo adiou para a semana que vem o envio da reforma administrativa porque vai apresentar o texto primeiro aos líderes. A ideia é ouvir as críticas e já fazer mudanças que possam facilitar a sua tramitação.


SINAIS PARTICULARES

ALEXANDRE DE MORAES, ministro do STF

Era feliz… A intensa pressão sobre o STF e o enorme volume de trabalho têm feito o ministro Alexandre de Moraes se recordar com nostalgia de um período curto de sua carreira: os quatro anos em que se dedicou quase exclusivamente a advogar e a lecionar.

BOMBOU NAS REDES!
Fernando Henrique Cardoso
Ex-presidente da República

“A polarização aumenta. Sem alternativas populares e progressistas continuaremos no jogo político/pessoal”, sobre a conjuntura política após Lula ter sido solto.


COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA, MARIANNA HOLANDA E MARIANA HAUBERT.