Com aval de Bolsonaro, policiais podem virar carreira típica de Estado na reforma administrativa

Com aval de Bolsonaro, policiais podem virar carreira típica de Estado na reforma administrativa

Coluna do Estadão

12 de junho de 2021 | 05h00

Mesmo relutante, Jair Bolsonaro deu “ok” para a Câmara tocar a reforma administrativa. Mas impôs condições: 1) o texto precisa ser mais claro na preservação dos direitos dos servidores atuais; 2) os trabalhadores da segurança pública serão classificados como carreiras típicas de Estado já na PEC, garantindo na Constituição a tão sonhada estabilidade (caso seja aprovada, claro). A proposta hoje prevê que só carreiras típicas de Estado terão direitos como esse, mas diz que o detalhamento viria posteriormente, por lei complementar.

Desidratando. Uma emenda já está sendo elaborada por aliados do presidente no PSL. A ideia é colocar na PEC as carreiras típicas de Estado, como de policiais (civis, federais, rodoviários federais) e, provavelmente, Abin, Fisco e Itamaraty.

Ah… Como se sabe, forças de segurança formam o eleitorado bolsonarista.

Opa, opa… A emenda do PSL, liderada por Major Vitor Hugo (GO), deve também retirar a proposta de Paulo Guedes que dá ao presidente o poder de extinguir cargos e órgãos públicos por decreto.

…parô, parô. Os governistas entendem também haver brechas na PEC, como marcos temporais, que alcançam os servidores públicos atuais. Isso deve ser retirado do texto também.

Pera lá. A Frente Parlamentar da Segurança Pública pede que as polícias sejam completamente retiradas da reforma administrativa, o que é pouco provável.

Top. Apesar de ter dado o aval à reforma, Bolsonaro deixou claro a Arthur Lira (PP-AL) a prioridade de sua agenda econômica: novo Bolsa Família, que deve ser enviado por medida provisória até agosto; reforma tributária e administrativa. Sem pressa para a última…

Talkey. A criação da comissão especial da reforma foi um gesto importante de que a PEC deve andar, mas não garante aprovação neste semestre. Na melhor das hipóteses, em agosto, o texto sai do colegiado.

SINAIS PARTICULARES.
Ciro Gomes, pré-candidato a presidente pelo PDT

Kleber Sales

Ciro… Em sua recente caravana pelo sertão da Bahia, Ciro Gomes (PDT) disse que continuará a mergulhar no “Brasil profundo” na atual pré-campanha.

…conselheiro. O presidenciável explicou a escolha do Estado para o início dessa caminhada: “Quis começar pela Bahia porque Antônio Conselheiro era cearense e eu nunca tinha ido ao município”, disse ele, em Canudos.

Simpatia… Com o anúncio do ingresso de Marcelo Freixo, aumentaram as expectativas em torno de eventual filiação do governador Flávio Dino (PCdoB-MA) no PSB também.

…é… Dino disse aguardar o desfecho da reforma política, com as eventuais novas regras do jogo. Se os deputados aprovarem o sistema da “federação”, tudo certo, Dino fica onde está.

…quase filiação. Se o “distritão” for aprovado, será o fim de partidos menores, como o PCdoB. “Minha relação com o PSB, neste momento, é como o bloco do carnaval carioca: simpatia é quase amor.”

Cheguei! No PSB, a primeira viagem de Freixo será para o Recife (PE), importante reduto do novo partido, na segunda-feira, 14. Terá encontros com o prefeito João Campos e o governador Paulo Câmara.

CLICK. O ex-presidente Michel Temer participou nesta semana de almoço com o IFL-SP (Instituto de Formação de Líderes de São Paulo), em um restaurante da capital.

Coluna do Estadão

PRONTO, FALEI!

Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação

Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara dos Deputados (PL): “Um país dividido que ele trabalha para dividir. Espero que esse ocorrido dê a Bolsonaro uma lição”, sobre os apupos recebidos pelo presidente em um avião.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU PEDRO VILAS BOAS.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.