Clima eleitoral emperra votações econômicas no Congresso

Clima eleitoral emperra votações econômicas no Congresso

Luiza Pollo

06 Março 2018 | 05h30

O governo identificou que o mesmo clima de campanha eleitoral que ajudou a enterrar a reforma da Previdência começou a contaminar as votações de pautas econômicas. Líderes governistas detectaram dificuldades para conseguir maioria simples em votações como privatização do sistema elétrico, reoneração de dez setores da indústria beneficiados por antigas isenções e simplificação tributária. Líder da maioria no Congresso, o deputado Lelo Coimbra (MDB-ES) alertou o presidente Michel Temer: “Não terá céu de brigadeiro para o governo”.

Na mira. Em outra frente, a oposição promete incomodar o governo ao reativar o pedido para criar a CPI da Carne Fraca. “A nova fase da operação mostra que as investigações não inibiram as falcatruas”, diz o autor da proposta, Ivan Valente (PSOL-RJ).

Com cautela. Depois de conseguir amenizar os impactos que a Operação Carne Fraca causaram à economia do País, no ano passado, o Planalto interveio para que a CPI caísse no esquecimento. Agora, o governo prefere aguardar os desdobramentos das investigações.

Tem jeito? Preso ontem na 3.ª fase da Carne Fraca, o ex-diretor-presidente global da BRF Brasil Foods Pedro de Andrade Faria tinha compartilhado, em fevereiro, vídeo do movimento Renova BR, com a hashtag #OBrasilTemJeito.

Mais uma. O vazamento de resíduos de alumínio nos rios de Barcarena (PA) também pode ser alvo de investigação na Câmara. O deputado Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) recolhe assinaturas. A estatal Norsk Hydro ASA não comenta.

Voltou atrás. O Conselho do Senado recuou do anteprojeto de fake news após a Coluna revelar que o texto sugeria suspender conteúdo sem autorização judicial.

Na pista. Aliados do prefeito de Salvador, ACM Neto, dão como certa a candidatura dele ao governo da Bahia. O lançamento oficial, porém, é aguardado só para depois da Convenção do DEM, que o confirmará presidente da legenda. Ele se diz indeciso. 

Sinais Particulares: ACM Neto, prefeito de Salvador; por Kleber Sales

 

Nunca antes… A quebra do sigilo bancário do presidente Michel Temer pelo ministro do Supremo Luís Roberto Barroso chocou até delegados federais mais experientes. Não há memória entre eles de medida semelhante contra um presidente em exercício.

Falem disso. O diretor do Diap, Antônio Queiroz, vai distribuir uma cartilha para alertar candidatos sobre a importância de tratar da inclusão social. Estudos mostram que apenas o discurso de equilíbrio fiscal e liberalismo econômico não empolga o eleitorado.

Passar em branco. O ex-presidente Lula assiste, sem esperanças, ao julgamento do habeas corpus em que pede que o STJ impeça preventivamente sua prisão. Avistando a derrota, deputados federais evitam prognósticos e não planejam manifestações.

CLICK. Alternativa do PT à candidatura ao Planalto, o ex-prefeito de SP Fernando Haddad jantou no domingo com o ex-ministro da Fazenda de Dilma Guido Mantega.

Facebook

Agora é oficial. A nomeação do desembargador Alexandre Luiz Ramos para ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) está na edição do Diário Oficial da União de hoje.

Rechecagem. A prefeita de Boa Vista, Tereza Surita (MDB), quer fazer um senso para identificar quantos venezuelanos já estão na cidade. Vai conferir seus dados com os do governo.

De perto. O ministro interino de Direitos Humanos, Gustavo do Vale, leva hoje uma comitiva a Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, para verificar a situação da cidade.

BOMBOU NAS REDES !

Twiter

“Privatizações são bem-vindas, mas vou além: algumas estatais precisam ser extintas”, DO DEPUTADO FEDERAL E PRESIDENCIÁVEL, JAIR BOLSONARO, defendendo a reforma no Estado brasileiro, sem mencionar quais empresas devem fechar.

COM NAIRA TRINDADE (editora interina) E REPORTAGEM DE LEONEL ROCHA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão