‘Claro que eleitores do Flávio Bolsonaro podem cobrar’, diz Janaína Paschoal sobre CPI da Lava Toga

‘Claro que eleitores do Flávio Bolsonaro podem cobrar’, diz Janaína Paschoal sobre CPI da Lava Toga

Marianna Holanda

10 de setembro de 2019 | 08h00

Janaina Paschoal. FOTO: MAURICIO GARCIA DE SOUZA/ALESP

Depois de aumentar a pressão das redes sociais no Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), por não ter assinado o requerimento para criação da CPI da Lava Toga, a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP) disse que o senador pode ser cobrado, “claro”, mas evitou cobrá-lo diretamente.

“Assinar ou não é decisão exclusiva de cada senador. Claro que os eleitores do Flávio podem cobrar. Aliás, cidadãos em geral podem”, afirmou. Na segunda-feira, 9, a hashtag #AssinaFlavioBolsonaro ficou no trending topics do Twitter. “Mas não tem cabimento pressionar os outros senadores a tirarem suas assinaturas. Se for verdade, estaremos diante de conduta que pode até caracterizar o crime de constrangimento ilegal”, completou.

A autora do impeachment de Dilma Rousseff é também uma das maiores interlocutoras da instalação da CPI. Questionada se seu partido deveria se posicionar mais incisivamente a respeito desta pauta, disse que sua cabeça “não funciona pela lógica dos partidos” e que, portanto, “o que o partido faz, ou deixa de fazer, não me vincula”.

Tendências: