Chile e Argentina amplificam revés do clã Bolsonaro

Chile e Argentina amplificam revés do clã Bolsonaro

Coluna do Estadão

30 de outubro de 2019 | 05h51

O cerco popular ao governo do Chile e a vitória da esquerda na Argentina potencializaram uma derrota de Jair Bolsonaro que muitos interpretaram como sendo apenas um capricho familiar frustrado: o revés no plano de transformar Eduardo Bolsonaro embaixador. Segundo apurou a Coluna, emplacar o filho do presidente na embaixada de Washington era a viga mestre da estratégia de gurus do bolsonarismo de ter os EUA como o maior apoio externo do Planalto para enfrentar eventuais turbulências institucionais, internacionais e também nas ruas.

Elo. Por essa estratégia, Eduardo seria a ligação direta do pai com Donald Trump e teria como missão primordial convencer o presidente norte-americano de que toda e qualquer ameaça ao governo Bolsonaro seria uma afronta aos EUA

Tradução. Como turbulência institucional, segundo um profundo conhecedor do clã Bolsonaro, entenda-se a luta entre Poderes.

Atuando… Indicado para Washington, o embaixador Nestor Forster se aproximou da pauta da equipe econômica. Mais recentemente, acompanhou Marcos Troyjo, secretário do Comércio Exterior, em plenária do FMI.

…em várias frentes. Além disso, já participou de mais de dez eventos do setor desde que assumiu interinamente a embaixada, em abril, e esteve com mais de 100 empresas americanas.


SINAIS PARTICULARES.

Nestor Forster,
diplomata indicado para a Embaixada de Washington

Não… Para o ministro Marco Aurélio Mello, relator da prisão após segunda instância, a proposta do presidente do Supremo, Dias Toffoli, de suspender a prescrição da pena quando o processo chega aos tribunais superiores “dá esperança vã à sociedade”.

…dá… O que a sociedade quer é que o processo chegue num tempo razoável ao final, diz ele, e a proposta tanto não significa maior celeridade à ação penal quanto revela um cenário ainda mais persecutório.

…no mesmo. Marco Aurélio sugere que seja dada preferência aos processos penais na Corte, seja por lei, seja por mudança no regimento. “O que não pode é o julgamento em Brasília ficar para as calendas gregas”, afirmou à Coluna.


CLICK.
O senador Marco do Val (Pode-ES) e o ministro Sérgio Moro foram a Cariacica (ES) para acompanhar o programa-piloto do ministério “Em frente, Brasil”.

Mais… A Associação de Delegados da PF enviou ofício ao diretor-geral Maurício Valeixo com duras cobranças. Afirma que a expectativa de que Sérgio Moro fortaleceria a instituição caiu por terra em menos de um ano dele no ministério.

…pressão. Segundo a classe, pautas corporativas estão paralisadas, como o reajuste das diárias, congeladas há dez anos, e as gratificações para quem comanda delegacias. A portaria de Moro garantindo poder de polícia judiciária à PRF também foi vista “como usurpação de competência”.

Igual. Eduardo Tuma (PSDB), presidente da Câmara Municipal de SP, avisou os líderes da Casa: nada muda no ritmo do Legislativo com o tratamento do prefeito Bruno Covas, as prioridades serão mantidas, incluindo as concessões.

Zero grau. As conversas para a formação de uma chapa PSOL-PDT na disputa pela prefeitura do Rio esfriaram. Martha Rocha, deputada estadual pedetista, não topa abrir mão da candidatura para ser vice de Marcelo Freixo ou de qualquer outro candidato.

PRONTO, FALEI!
General Girão
Deputado federal (PSL-RN)
“O Brasil já tem 37 partidos, criar mais um não resolve. Além disso, a maioria é muito parecida, da esquerda à direita”, sobre Bolsonaro criar um novo partido


COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA
E
MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RAYSSA MOTTA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: