Chefe da diplomacia, Aloysio Nunes discute com segurança do STF na posse de Moraes

Andreza Matais e Vera Rosa

22 Março 2017 | 21h35

aloysio-nunes-click2

 

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, se desentendeu com um segurança do Supremo Tribunal Federal (STF) na posse do ministro Alexandre de Moraes.

Na versão do ministro, a confusão começou quando ele foi defender o colega Raul Jungmann (Defesa), que havia sido xingado por um segurança por ter desobedecido a ordem de não passar pelo cordão de isolamento que dava acesso à fila de cumprimentos e ao lado de fora do prédio.

“O Raul explicou que precisava sair do local porque tinha uma reunião e o segurança queria impedir. Ele então levantou a corda e passou para o outro lado. O segurança chamou o Raul de mal educado. Eu tomei as dores dele”, contou Aloysio à Coluna do Estadão.

A partir dai, Aloysio e o segurança trocaram ofensas. O ministro pediu para que o funcionário se identificasse avisando que faria uma reclamação formal ao STF. Segundo o chefe do Itamaraty, o segurança se recusou a dizer o nome completo. De tão irritado, Aloysio deixou o STF sem cumprimentar o ministro Alexandre de Moraes e foi embora de carona com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Padilha foi outro que se irritou na posse. Mas com a demora do motorista em buscá-lo ao final do evento. “Vou atravessar a Praça dos Três Poderes a pé”, ameaçou. Foi contido pelo próprio Aloysio Nunes. “Vou impedi-lo”, avisou.

No final do dia, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, telefonou para Aloysio Nunes pedindo desculpas pelo ocorrido.